PB Saúde: líder do governo não crê que decisão da CCJ seja ‘teste’ para o governo

PB Saúde: líder do governo não crê que decisão da CCJ seja ‘teste’ para o governo

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Ricardo Barbosa (PSB), não avaliou a falta de quórum na sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa que discutiria a criação da Fundação de Saúde, substituta das OSs no Estado, como um teste para o governo no Plenário.

Em entrevista nesta quarta-feira (12), Ricardo afirmou que será sim um teste de coerência parlamentar aos que se dizem enquadrados na base do governo. “Vivemos hoje um cenário caótico, crítico sobre todos os aspectos inclusive moral na área da saúde decorrente do modelo pré-existente de OSs e João, em hora oportuna, propõe a extinção delas e opta por um modelo moderno adotado, inclusive, pelo governo federal criando uma fundação de Saúde”, disse.

Barbosa alegou que não esperava, sequer, que a oposição contestasse o projeto, muito menos a base aliada.

A respeito de insatisfações de aliados, o líder destacou que todos têm demandas solicitadas e que é preciso ter responsabilidade para não colocar interesses pessoais acima da governabilidade e da Paraíba.

O deputado acredita que no Plenário, o projeto será aprovado e que a CCJ encerrou-se como sessão declaratória devido ao horário incomum. “Não tem a ver com governabilidade, foi um horário atípico, as sessões recorrentemente ocorrem à tarde, e a presidente marcou pela manhã, não deu quórum. Eu mesmo cheguei 30 segundos após o encerramento”, ale

Barbosa acredita na “sensibilidade” dos seus pares alegando que a matéria impacta na vida de mais de dois mil servidores da saúde que estão sem receber salários.

Para o parlamentar, a questão é “inegociável”, pois este é o modelo que o governo encontrou para fazer frente ao “passado que nos envergonha”.


Marília Domingues / Fernando Braz