Mãe denuncia estupro da filha no Juliano Moreira, hospital reconhece caso, mas revela surpresa com denúncia

Mãe denuncia estupro da filha no Juliano Moreira, hospital reconhece caso, mas revela surpresa com denúncia

Uma mãe denunciou à Polícia Civil que a filha de 15 anos teria sido estuprada dentro do Hospital Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa. Ela relatou que o estupro aconteceu em novembro de 2018. A mulher teria levado a adolescente para exames no Instituto de Polícia Científica (IPC), no bairro do Cristo, e, depois que o resultado confirmou conjunção carnal, a mãe foi até a delegacia de Conde para denunciar o caso, em 3 de dezembro do ano passado.

A mãe relata que a menina foi estuprada por um rapaz que também era paciente do Juliano Moreira, em novembro de 2018. A Delegacia de Infância e Juventude de João Pessoa investiga o caso. O delegado Gustavo Carletto se negou a falar sobre o caso em contato feito pelo ClickPB.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) enviou ao ClickPB nota do Hospital Psiquiátrico Juliano Moreira sobre o caso. No documento, a instituição se mostra surpresa com a denúncia e diz que as enfermarias feminina e masculina ficam em ambientes separados.

Na mesma nota, o Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira revela que já tinha conhecimento do caso, pois recebeu a mãe da menina em novembro do ano passado, a qual relatou que "sua filha estaria se envolvendo sexualmente com um outro adolescente interno, no período da noite, nas dependências da enfermaria dos adolescentes".

Veja a nota na íntegra.

 

A Direção Geral do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira recebe com surpresa, nesta data, a denúncia do suposto estupro sofrido por adolescente internada, neste hospital, em novembro de 2018. Sendo assim, comprometida com a excelência nos serviços de saúde prestados, a direção esclarece que:

1) Recebera em novembro de 2018 a mãe da adolescente, relatando que sua filha estaria se envolvendo sexualmente com um outro adolescente interno, no período da noite, nas dependências da enfermaria dos adolescentes;

2) Desde aquele mês, este hospital não fora procurado pela denunciante ou por qualquer órgão policial ou judicial quanto à investigação de cometimento de crime ou ato infracional semelhante à estupro, frisando que sempre esteve e continua à inteira disposição da sociedade e autoridades para auxiliar nas possíveis investigações decorrentes;

3) Destacamos, igualmente, que, não obstante o teor da denúncia, é importante reforçar que a Enfermaria dos Adolescentes possui assistência durante 24 horas, bem como, os usuários permanecem separados por gênero, estando em enfermarias distintas, sob constante apoio dos profissionais do setor; e

4) Diante da manifestação da mãe, perante a imprensa, nos colocamos, mais uma vez, à inteira disposição, reforçando, desde já, o incremento na assistência daquele setor, determinando, sem prejuízo de outras deliberações, a abertura imediata de sindicância investigativa no âmbito deste hospital, para que sejam esclarecidos os fatos e apurando-se a  responsabilidade de funcionários, a tomada de medidas punitivas pertinentes.

 

 

 

Click PB