Hackers Anonymous vazam dados confidenciais da família Bolsonaro, ministros e apoiadores

Hackers Anonymous vazam dados confidenciais da família Bolsonaro, ministros e apoiadores

Hackers vazaram dados confidenciais da família Bolsonaro, dos ministros da Educação e Direitos Humanos, além de empresários bolsonaristas nesta segunda-feira (1º). Os dados estão disponíveis no site Pastebin.

O vazamento foi anunciado pela célula brasileira descentralizada de hacktivistas Anonymous às 21h30 no twitter.

Reprodução

Entre os documentos vazados estão informações pessoais como RG, CPF, telefones, endereços físicos, contas de e-mail, propriedades, atividades de trabalho, renda, score do CPF, histórico partidário e informações de parentes de Jair Bolsonaro, dos filhos Flávio, Carlos e Eduardo; do ministro da Educação, Abraham Weintraub; da ministra da Mulher e Direitos Humanos, Damares Alves; do deputado estadual Douglas Garcia e do dono da Havan, Luciano Hang.

O deputado Douglas Garcia – que na tarde de segunda-feira (1º) pedia que pessoas autodenominadas “antifascistas” tivessem dados e comprovantes encaminhados para o seu e-email corporativo, para perseguição dos perfis -teve os dados expostos pelo coletivo.

 

Logo depois, dados pessoais do ministro da Educação, Abraham Weintraub; da ministra Damares Alves, descrita como “inimiga dos direitos da Mulher, da Família dos Direitos Humanos”; do empresário e simpatizante do governo Luciano Hang; de Eduardo, Flávio e Carlos Bolsonaro; por fim, do presidente Jair Bolsonaro foram liberados. De acordo com o Olhar Digital, oito links apontavam para o site Pastebin, os quais continham informações consideráveis das vítimas citadas. Além disso, foram publicadas acusações diretas, cada uma acompanhada com as hashtags #Anonymous, #Antifascista e #BlackLivesMatter. 

Reprodução
Reprodução
Reprodução
Reprodução

Entretanto, não demorou muito para que os arquivos upados no Pastebin fossem removidos pelo próprio site. A conta que publicava em nome do Anonymous Brasil também teve o mesmo destino, agora é possível ver apenas um aviso de “conta suspensa” por ter violado as regras do Twitter. 

Reprodução
Reprodução

 

 

Uol