Coronel Lima, apontado como ‘operador financeiro’ de Temer, também é preso

Coronel Lima, apontado como ‘operador financeiro’ de Temer, também é preso

João Batista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, amigo pessoal do ex-presidente Michel Temer desde 1980, foi preso no começo da tarde desta quinta-feira (21) em sua casa na Zona Sul da capital paulista. Temer também foi preso em São Paulo nesta manhã, quando se deslocava para seu escritório.

A sentença do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que determinou a prisão preventiva de Temer e de mais 9 pessoas, apontou que o coronel agia como “operador financeiro” de Temer em uma organização criminosa existente desde a década de 1980, quando ambos se tornaram amigos em São Paulo, atuando tanto na captação de recursos para Temer quanto na lavagem do dinheiro.

Temer foi secretário de Segurança Pública de São Paulo na década de 80, quando Lima se tornou seu “assessor militar”, tendo “participado de campanhas eleitorais” com ele. O coronel se tornou, assim, “operador financeiro” do escritório político do ex-presidente.

Decisão

Conforme a decisão de Bretas, que decretou a prisão preventiva de ambos, Lima agia em nome de Temer pedindo recursos, que foram destinados para Temer e para a reforma da casa da ex-mulher do ex-presidente, na capital paulista. O advogado Cristiano Benzota, que defende o o coronel, disse, por telefone, que não vai se manifestar sobre o caso por enquanto.

“Nessa toada, plausível a conclusão do órgão ministerial de que coronel Lima atua como uma espécie de mandatário de Michel Temer, sendo há décadas homem de confiança do ex-presidente da República, além de atuar nas relações comerciais entre Temer e empresários da construção civil (a exemplo da Engevix), bem como do setor portuário (narrado na denúncia do Quadrilhão do PMDB)”, diz Bretas na decisão.

No pedido de prisão de ambos, o MPF defendeu que ainda que o coronel Lima atuou como “operador financeiro” de Temer nos contratos da Eletronuclear com a empresas, “recebendo em nome dele valores indevidos”.

 

 

 

G1