Youssef diz ter pago propina a ex-servidor do governo do Maranhão

Youssef diz ter pago propina a ex-servidor do governo do Maranhão

O doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, disse, em depoimento de delação premiada, que pagou propina a João Abreu, que foi chefe da Casa Civil do Maranhão, quando Roseana Sarney governava o estado. Conforme Youssef, a “comissão” tinha por objetivo favorecer a empreiteira UTC/Constran com a liberação de um precatório de R$ 110 milhões, referente a obras de pavimentação da BR-230 na década de 1980.

De acordo com o doleiro, a UTC tinha interesse em receber rapidamente o precatório, que poderia levar anos para ser pago pelo governo. Conforme o depoimento de Yousseff, ficou acertado que Abreu receberia R$ 3 milhões dos R$ 10 milhões pagos pela empresa, que dividiu a quantia em 24 parcelas.

Youssef disse que, em 2013, viajou a São Luís, em avião fretado, para levar uma parcela de R$ 1,4 milhão ao ex-chefe da Casa Civil, mas foi preso pela Polícia Federal antes de entregar o dinheiro. Segundo ele, a outra  parte foi levada por Adarico Negromonte e Rafael Ângulo, presos na Lava Jato por transportarem dinheiro a mando do doleiro.

No depoimento, Alberto Youssef afirmou que não sabe se João Abreu chegou a consultar a então governadora Roseana Sarney sobre o acordo. À Polícia Federal, o doleiro também declarou que não sabe se outras pessoas estariam envolvidas no acordo.

Em mensagem de texto interceptada pela PF com autorização judicial, os diretores da UTC Walmir Pinheiro e Augusto Cesar Ribeiro comemoraram com Youssef o fechamento do acordo para o pagamento das parcelas.

“Augusto e Primo [Youssef]. Parabéns pela concretização do acordo com o gov. MA [governo do Maranhão] . Sei perfeitamente quanto foi duro fechar esta operação. Foram quase seis meses de idas e vindas. Com o recebimento da primeira parcela, agora é torcer para que o MA honre com as demais parcelas. Grande abraço.”

Em seguida, Youssef respondeu: ” Walmir, obrigado, mas todos merecem parabéns. Sem a ajuda de todos envolvidos, não seria possivel esse acordo. Vamos seguir cuidado até que termine com sucesso. Abraço.”

Atendendo a pedido da Secretaria de Transparência e Controle do Estado do Maranhão, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação da Lava Jato, autorizou o compartilhamento do depoimento.

A Agência Brasil entrou em contato com a UTC e aguarda retorno. João de Abreu afirma que não houve pagamento de nenhuma vantagem  e que o acordo, também celebrado com representantes do Ministério Público e do Poder Judiciário, trouxe economia de R$ 28,9 milhões ao estado.

Mais tarde, em nota à imprensa, a UTC explicou que não houve irregularidade no pagamento do precatório. “A Constran não foi beneficiada por nenhuma antecipação de pagamento no Maranhão. Como primeira na fila dos precatórios do estado, teria direito a receber o valor integral da dívida à vista. Dívida essa gerada por obras rodoviárias executadas nos anos 80. Em 1993, a Constran entrou na Justiça. Em 2010, a dívida do governo virou um precatório por decisão do Poder Judiciário. Em 2013,  quase três décadas após a realização da obra, e quando a Constran era a primeira da fila dos precatórios, o governo do estado do Maranhão propôs pagar o valor devido parcelado em 24 meses, sem juros e sem correção. Com o propósito de encerrar uma discussão e evitar mais protelamento, a empresa concordou com uma proposta apresentada pelo gestor público. Como é de conhecimento público, é impossível furar a fila do pagamento dos precatórios”, disse a empresa.

 

 

 

Agência Brasil