Youssef diz não reconhecer homem apontado como recebedor de propina

Youssef diz não reconhecer homem apontado como recebedor de propina

O doleiro Alberto Youssef disse nesta quinta-feira (14) que não conhece o homem apontado como a pessoa que teria recebido R$ 2 milhões para aplicar na campanha presidencial de Dilma Rousseff (PT), em 2010. A declaração foi feita durante uma acareação entre ele e Charles Capella de Abreu, que teria recebido a quantia. As informações foram divulgadas pela Globonews.

 

Abreu foi assessor do ex-ministro da Casa Civil Antônio Palocci, que foi o coordenador da campanha petista naquele ano.

Durante a delação premiada, Yousseff disse que entregou o dinheiro a pedido do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Ambos foram presos na Operação Lava Jato e já tiveram várias condenações. Eles também firmaram acordos de delação premiada, nos quais prestaram as informações sobre os crimes que participaram ou tiveram conhecimento.

 

O nome de Capella surgiu em outubro de 2015. Durante um depoimento, Youssef fez uma descrição do homem que ficou com os R$ 2 milhões. Segundo o documento, o doleiro disse “que tal pessoa tinha a cor da pele branca, estatura média alta, sendo um pouco mais alta que o reinquirido, que tem 1,71m, compleição física normal, não se tratando de pessoa obesa ou com barriga saliente, não lembrando a cor do cabelo, tendo a certeza apenas que não eram amarelos, não lembrando a cor dos olhos ou qualquer tatuagem aparente”.
 

Durante aquele depoimento, a Polícia Federal perguntou se o doleiro conhecia Charles Capella de Abreu. Ele respondeu que o nome não lhe era estranho, mas não sabia de onde o conhecia. Ele também foi apresentado a uma fotografia de Abreu. Segundo o doleiro, aquela pessoa tinha de 70% a 80% de chances de ser quem recebeu o dinheiro que ele pagou a pedido de Costa.

 

Com a continuidade das investigações, a Polícia Federal decidiu colocar Youssef e Abreu frente a frente, numa acareação. Segundo fontes, o doleiro teria mudado de opinião, ao ver Capella pessoalmente e disse que não o conhecia.

 

Baiano
O lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, também fez uma acareação com Charles Capella de Abreu. Em depoimento anterior, Baiano havia dito que sabia do repasse de propina para a campanha de Dilma, do qual Youssef relatou na delação premiada.

 

Frente a frente com o ex-assessor de Palocci, Baiano manteve a versão de que um homem chamado Charles teria recebido a quantia. Abreu negou as informações e disse que nunca teve qualquer contato com Alberto Youssef, Fernando Baiano ou Paulo Roberto Costa.

 

 

G1