Yanomamis, os humanos com maior variedade de bactérias

Yanomamis, os humanos com maior variedade de bactérias

Um helicóptero do Exército venezuelano descobriu em 2008, entre a fechada floresta amazônica, um povoado não registrado em seus mapas. Meses depois, uma missão médica e científica chegou a essa região do sul da Venezuela para descobrir que se tratava de um grupo de cerca de 50 índios yanomamis. Comprovaram que, salvo algum contato com outros de sua mesmo tribo, nunca haviam tido relação com o mundo externo. Era uma ocasião única para os cientistas estudarem seu universo bacteriano e compará-lo com o dos ocidentais. Depararam-se com várias surpresas.

Apesar de não ser o objetivo principal da missão, os cientistas conseguiram o consentimento de 30 yanomamis para retirar amostras da pele do antebraço, da boca e de material fecal, o melhor indicador da flora bacteriana do trato intestinal. Enquanto realizavam uma avaliação intensiva dos 54 integrantes do povoado, conservaram o material em nitrogênio líquido até voltarem à civilização.

Começava então a segunda parte da aventura. Em um exemplo de que a ciência se impõe sobre a política, as amostras voaram até um par de laboratórios dos EUA. Durante quatro anos, vinte cientistas norte-americanos e venezuelanos desvendaram o perfil genético das bactérias presentes nas amostras originais. Também as cultivaram, para realizar testes que mediram sua resistência aos antibióticos, o que se conhece como resistoma.

A diversidade do microbioma dos ianomâmis é o dobro em comparação com a dos ocidentais

“O que encontramos é que os yanomamis desse estudo têm um grau de diversidade bacteriana sem precedentes”, disse em entrevista coletiva o professor de genética da escola Icahn de medicina do hospital Monte Sinai (Nova York) e principal autor do estudo, José Clemente. Os autores da pesquisa compararam o microbioma dos yanomamis com amostras de norte-americanos e outras dos guahibos, também índios amazônicos, e de indígenas do Malaui, no sul da África. Nos dois casos trata-se de populações com certo grau de ocidentalização. Os yanomamis, acrescenta Clemente, “têm quase o dobro de diversidade do que os norte-americanos”.

Na verdade, observaram uma redução progressiva de diversidade a partir dos yanomamis até os ocidentais, passando pelos guahibos e os malauis. Além disso, os pesquisadores mergulharam em estudos anteriores sobre microbiomas e não encontraram outros povos que tenham maior variedade bacteriana. Também não acharam nos arquivos do projeto Microbioma Humano. É como se, quanto mais exposto se está ao estilo de vida ocidental, mas se perde a riqueza de seu microbioma. Esses resultados colocam os yanomamis no topo no que se refere a bactérias. Nesta mesma semana, outro estudo mostrou como comunidades rurais de Papua Nova Guiné tinham 15% a mais de diversidade em relação aos ocidentais. Mas esses índios amazônicos se aproximam de 100% de aumento.

Os yanomamis desse povoado, cuja localização não foi revelada para protegê-los, continuam vivendo da caça e da colheita de frutas, como faziam seus antepassados há milhares de anos. O mais próximo que tinham visto de um homem branco era quando observavam algum avião sobrevoando o local. Da medicina, só conheciam a própria palavra, que já tinham ouvido de outros yanomamis de povoados vizinhos. E o posto de saúde mais próximo, administrado por missionários, se encontra a duas semanas de caminhada entre as montanhas. Para os microbiólogos, esse povoado isolado é uma máquina do tempo com a qual se pode imaginar como era a microbiota dos humanos antes que a modernização mudasse tudo.

O povoado ianomâmi foi descoberto por um helicóptero do Exército venezuelano em 2008, e, no ano seguinte, recebeu a visita de uma missão científica. Era a primeira vez que os índios tinham contato com o homem branco. 

“Nossas bactérias desempenham papel importante na fisiologia humana, como a resposta imune, o metabolismo e até o comportamento. Mas ainda não sabemos quanto ou como nossos microbiomas ocidentalizados mudaram em relação ao microbioma de nossos ancestrais”, diz a professora María Gloria Domínguez, da escola de medicina da Universidade de Nova York, também coautora do estudo. "Temos muitas práticas antimicrobianas, como o nascimento por cesárea, o uso dos antibióticos, o sabão, os produtos de limpeza. Mas no mundo ainda existem populações remotas de caçadores e coletores que vivem na era pré-biótica como os nossos antepassados”, acrescenta. Povos que, alerta, “estão se ocidentalizando rapidamente”.

Antes que o estilo de vida ocidental reduza sua diversidade bacteriana, povos como esses yanomamis podem ajudar a ciência. Muitas das doenças não transmissíveis, como infecção intestinal, esclerose múltipla, diabetes tipo I, artrite reumatoide, obesidade, câncer de cólon e inúmeras alergias são provocadas por bactérias. A maioria tem uma alta prevalência nas sociedades avançadas, com depoimentos nas populações menos ocidentalizadas. Apesar de ainda faltar muito a se investigar, a degradação do microbioma pode ter muito a ver com essas doenças modernas.

Resistência adquirida aos antibióticos

A segunda grande surpresa descoberta pelos pesquisadores foi que, ao cultivar e sequenciar as amostras fecais, descobriram que as bactérias dos ianomâmis têm genes que as fariam resistentes aos yanomamis, inclusive aos de última geração. Para medir essa resistência, os estudos científicos costumam se concentrar nas cepas da enterobactéria Escherichia coli. Descobriram nas amostras fecais dos yanomamis que todas as cepas da E. coli contavam com genes que agem no desenvolvimento da resistência à ação dos antibióticos. Então ampliaram sua análise a outras bactérias, encontrando cerca de 30 genes que poderiam apresentar resistência.

Os antibióticos, a dieta, o sabão e o nascimento por cesárea reduziram a diversidade bacteriana dos ocidentais

Considerando-se como verdadeiras as palavras do chefe do povoado negando ter tido contato com outros homens que não fossem yanomamis, e, ao menos um, com a medicina moderna, de onde procede essa resistência? A principal hipótese dos pesquisadores é que vem da íntima relação desses índios com o meio que habitam. Muito antes de Alexander Fleming descobrir, quase por sorte, o poder antibiótico de fungos do gênero Penicillium, as bactérias têm tido que lidar com outros micro-organismos para sobreviver. No caso dos yanomamis, esses micróbios teriam aprendido a combater graças à flora bacteriana do solo da floresta, que teria dado a eles genes contra os antibióticos por meio de transferência horizontal.

Os pesquisadores retiraram amostras da boca, da pele e das fezes de 30 ianomâmis (o rosto dessa jovem foi cortado para respeitar sua privacidade). / ÓSCAR NOYA-ALARCÓN

“No entanto, também encontramos vários genes de resistência que codificam resistência contra as últimas gerações de antibióticos semissintéticos e sintéticos”, afirma o professor de patologia Gautam Dantas, da Universidade Washington, em San Luis (EUA). “Incluem, por exemplo, medicamentos de terceira e quarta geração (as cefalosporinas) que tentamos reservar para lutar contra algumas das piores infecções do mundo”, acrescenta. São remédios tão novos e tão sintéticos que a hipótese de empréstimo da resistência por outras bactérias não consegue explicá-lo.

Os autores do estudo, publicado na Science Advances, foram surpreendidos pela descoberta de que a flora bacteriana dos yanomamis pode ser resistente a remédios tão modernos. “Pensamos em um par de explicações para esses resultados. A primeira, e talvez a mais simples, é que no solo haja versões naturais desses medicamentos sintéticos, e que, simplesmente, ainda não as encontramos”, diz Dantas. No fim das contas, as primeiras gerações de antibióticos copiavam a penicilina natural.

Mas há outra possibilidade que intriga ainda mais: que esses genes de resistência tenham uma grande plasticidade e sejam multifuncionais. “Na realidade, poderiam ter outras funções na bactéria, mas, expostos aos antibióticos, poderiam reprogramar-se para desenvolver carga de resistência", sugere este patologista. Assim sendo, isso explicaria o rápido e amplo desenvolvimento de resistência entre muitas das bactérias patógenas que alarma tanto os cientistas e médicos pelo abuso no uso dos antibióticos.

 
 
 
 
 

El País