Waldson reclama falta de repasse de 25 municípios e diz que vai processar judicialmente; CG está listada

Waldson reclama falta de repasse de 25 municípios e diz que vai processar judicialmente; CG está listada

O secretário de Saúde do Estado, Waldson de Souza, considerou nesta sexta-feira (21) que o maior gargalo da administração estadual hoje, na área da saúde, é a falta de repasse de verbas federais de cerca de 25 municípios paraibanos. As verbas são encaminhadas para as cidades, entre elas Campina Grande, e não são repassadas para o governo por serviços prestados em hospitais estaduais.  “O maior gargalo que não conseguimos destravar e não conseguimos avanço foram os repasses com 25 municípios onde o estado presta serviço”.

Waldson explicou que no próximo dia 10 de dezembro haverá reunião em Brasília onde ele pedirá autorização da União para processar judicialmente essas administrações municipais.

Na quarta-feira (19) o governador Ricardo Coutinho (PSB) já havia adiantado reivindicação idêntica em encontro com a presidente Dilma Rousseff (PT). “ O estado cada vez recebe menos recursos federais para manter uma Secretaria que tem uma quantidade imensa de hospitais. Estamos focados na captação de recursos”, pontuou o secretário.

R$ 10 milhões em prejuízo – O secretário explicou que a falta de repasse significam R$ 10 milhões em perdas por mês. “O maior gargalo é onde tem mais serviço, em João Pessoa temos 6 hospitais sob gerência do estado. João Pessoa está cumprindo (o acordado). Tivemos um conversa com a secretária (Mônica Rocha) para renovação do protocolo. Em contrapartida a região de Campina nunca cumpriu e temos uma dificuldade imensa para manter a rede. Campina é muito dependente do hospital de Trauma. Que acaba não fazendo o papel dele de emergência e trauma e acaba atendendo a tudo”, desabafou .

O secretário explicou ainda que o Estado já chegou ao ponto de judicializar algumas situações e citou o caso de João Pessoa no final da gestão de Luciano Agra (PEN) e no inicio da gestão Luciano Cartaxo (PT) e argumentou que o Estado não pode ficar a mercê das administrações municipais. “Não estamos pedindo nenhum recurso que não está sendo pactuado”, frisou.

Waldson revelou ainda que o Estado está preparado para embasar o pedido à União no dia 10, apesar de não querer dificultar a vida dos municípios. “Toda a documentação está pronta e nosso pleito (à Brasília) é muito justo. Queremos ter a autonomia de processar. Não sendo cumprido vou judicializar. Essa conduta de negociação dentro do SUS tem um outro trâmite, toda vez que entramos com a judicialização fecha-se outra porta (com a União). Não queremos prejudicar os municípios para que repassem a todo o custo”, finalizou.

 


Paulo Dantas