Volkswagen retoma produção no Brasil após 1 mês de paralisação

Volkswagen retoma produção no Brasil após 1 mês de paralisação

A Volkswagen retomou na quinta-feira (16) a produção no Brasil, depois que a maioria dos seus 18 mil empregados no país ficaram afastados por cerca de 30 dias por causa de uma problema com fornecedores de peças.

Parte dos funcionários que estavam em férias coletivas voltaram ontem ao trabalho em Taubaté (SP), concentrando-se na montagem do compacto Up!.

As linhas de montagem em São Carlos (SP), onde são feitos motores, e São José dos Pinhais (PR), de onde saem a família Fox e o Golf, também retomaram as atividades parcialmente.

A unidade Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), voltará a produzir os modelos Gol, Jetta e Saveiro na próxima semana, informou a empresa. A retomada será gradual e deve ser “normalizada” durante as próximas semanas.

Disputa com fornecedor
A Volkswagen afirma que teve problemas de falta de peças feitas pelo Grupo Prevent desde março de 2015, em um conflito que chegou a reduzir o ritmo de fábricas na Alemanha também, já que o grupo também é fornecedor da Volkswagen na Europa.

O problema na matriz foi resolvido em poucos dias, mas no Brasil se estendeu por mais tempo, até que a Volkswagen rescindiu os contratos e obteve na Justiça o direito de retirar seu maquinário, que estava em comodato em fábricas do Grupo Prevent.

“Para restabelecer o fornecimento de peças, a Volkswagen do Brasil nomeou cerca de 10 fornecedores que já iniciaram seus processos produtivos para a normalização das atividades”, afirmou a Volkswagen em nota.

Demissões
A Keiper, que faz parte do Grupo Prevent e produz bancos, declarou que a decisão da Volkswagen foi arbitrária e unilateral. A empresa disse que não foi levado em consideração “o fato da Keiper aos longos destes anos ter suportado o desequilíbrio econômico, incorrendo em grandes prejuízos, mantendo a relação com a mesma qualidade, desempenho e expertise”.

Sobre as falhas no fornecimento, alegou que “todas as paradas ocorridas na produção da Volkswagen recentemente foram sempre precedidas de diversos comunicados de aviso e de alertas, no estrito cumprimento dos contratos, os quais também exigiram da montadora Volkswagen de honrar com a compra das quantidades mínima de peças que são exigidas para produção dos lotes econômicos”.

Com a retirada das ferramentas, a Keiper diz que não tem mais o que fazer e terá que demitir todos os cerca de 800 funcionários, por falta de receita, que vinha praticamente toda da Volkswagen.

 

 

G1