Veja como foi 1º dia de sessão que analisa abertura do impeachment de Dilma

Veja como foi 1º dia de sessão que analisa abertura do impeachment de Dilma

O primeiro dia da sessão na Câmara que vai decidir se abre processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff chegou à meia-noite com a manifestação de apenas nove dos 25 partidos previstos para esta sexta-feira (15), após mais de 16 horas de discursos. As falas dos representantes das legendas adentraram a madrugada. 

Os trabalhos foram abertos às 8h55, mas o movimento na Câmara começou às 6h da manhã, com as filas de parlamentares que se inscreveram para as manifestações individuais previstas para este sábado. Veja abaixo os principais fatos do dia na Câmara: 

 

Defesa x Acusação
A primeira fala desta sexta foi do jurista Miguel Reale Júnior, representando os autores do pedido de afastamento de Dilma. Na tribuna da Câmara, ele afirmou que Dilma cometeu um “golpe” ao “quebrar o país” e “mascarar” a situação econômica, para garantir a reeleição.

 

Reale disse ainda que as pedaladas fiscais cometidas pelo governo não são “meras infrações administrativas”, mas “um crime contra a pátria". 

Em seguida falou, pela defesa de Dilma, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Ele voltou a afirmar que Dilma não cometeu nenhum crime e que o processo é "nulo". 

Cardozo disse ainda que o processo teve início num “ato viciado”, fruto de uma “retaliação” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quando o PT negou apoio a ele no Conselho de Ética, onde o peemedebista é alvo de investigação.

 

Pronunciamento
Os rumores de que Dilma faria um pronunciamento contra o impeachment em rede nacional de rádio e TV, na noite desta sexta, causou a reação de partidos da oposição. PSDB e Solidariedade protocolaram ações civis na Justiça Federal de Brasília para tentar impedir a transmissão da fala da presidente.

 

O pedido do Solidariedade foi indeferido, e o do PSDB, acatado. Porém, quando saiu a decisão favorável ao PSDB, o Planalto já havia desistido do pronunciamento na TV.

O vídeo com o discurso de Dilma foi divulgado nas redes sociais da presidente no fim da noite. No pronunciamento, ela voltou a atacar duramente os defensores do impeachment, chamando-os de “golpistas” e “traidores”, e disse que seu afastamento representará uma ruptura institucional do país.

 

Manifestação dos partidos
Até a meia-noite desta sexta-feira, haviam se pronunciado na Câmara nove dos 25 partidos com representação na casa: PMDB, PT,PSDB, PP, PR, PSD, PSB, DEM e PRB. Ao longo do dia, as manifestações dos partidos foram intercaladas por várias falas de líderes, que podem pedir a palavra durante as sessões.

 

A ordem das manifestações é da legenda com maior bancada para a menor. O primeiro foi o PMDB. Apesar de ter se manifestado contra o impeachment, o líder Leonardo Picciani (RJ)afirmou que a maioria da bancada é favorável ao processo e, por isso, vai orientar o voto dos integrantes da legenda pelo afastamento de Dilma.

Parlamentares do PT defenderam a presidente repetindo o argumento de que o processo é  um “golpe” e que a Constituição não prevê “recall” de presidente por baixa popularidade.

 

Neste sábado, devem seguir as manifestações dos partidos. Na etapa seguinte, serão abertas as falas individuais dos parlamentares que estão inscritos. A presidência da Câmara tenta manter a previsão de realizar a votação do impeachment no domingo (17).

 

 

 

 

G1