Vegetação de 7 mil anos corre risco de sumir em 3 décadas, aponta estudo

Vegetação de 7 mil anos corre risco de sumir em 3 décadas, aponta estudo

Há em Campo Mourão, no centro-oeste paranaense, árvores e plantas tão velhas quanto é grande o risco de elas sumirem do mapa bem logo, concluíram pesquisadores da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), em parceira com a Universidade Estadual de Maringá (UEM).

A área de cerrado, ali, é quase 14 vezes mais antiga do que o "descoberto" Brasil, encontrado por desbravadores portugueses em 1.500 — amostras apontam que a vegetação presente no local tem mais de 7,2 mil anos de existência —, e pode sumir em menos de três décadas, se não houver mudanças drásticas de comportamento humano, conforme os estudos.

No entanto, vestígios do passado ainda estão lá, em um bioma cada vez mais raro, e foram usados para as pesquisa feitas no Laboratório de Estudos Paleoambentais da Fecilcam (Lepafe), pertencente à universidade paranaense.

O estudo foi feito a partir do pólen de um pequi — árvore típica do planalto central brasileiro - e demonstra que a região, que era predominantemente de cerrado, bioma brasileiro importantíssimo para o desenvolvimento de soluções medicinais, está se modificando rápido demais.

O material colhido, diz o professor Mauro Parolin, coordenador do laboratório, pode revelar importantes respostas (e novos questionamentos) sobre clima, vegetação e condições ambientais.

"Essas pesquisas, numa época em que temos tantos extremos climáticos e discutimos tanto o aquecimento global, são extremamente importantes. O entendimento de processos do passado podem nos dar respostas para o presente e para o futuro", afirma o pesquisador.

Fotografia de 1926 mostra o cerrado intacto da região de Campo Mourão (Foto: Alexandre Linzmayer/Arquivo)Fotografia de 1926 mostra o cerrado intacto da região de Campo Mourão (Foto: Alexandre Linzmayer/Arquivo)

Do cerrado, Campo Mourão tem dado espaço, com o passar dos anos, a florestas úmidas e cada vez mais quentes, explica Parolin. Antigamente, as secas eram mais severas e o clima era bem mais frio. O problema é que, com a mudança, morre também a biodiversidade.

"Com a perda da área de cerrado, perdemos também a biodiversidade. Isso é péssimo. Perder biodiversidade significa perder espécies. Precisamos mantê-las, para que tenhamos o conhecimento mais profundo de alguma plantas que podem virar princípios medicinais", comenta o professor.

Hoje, o cerrado na região de Campo Mourão é aproximadamente quatro vezes menor do que há 5 mil anos. A área ainda é grande, apesar da redução — cerca de 102 quilômetros quadrados. Mesmo assim, isso não a impede de desaparecer cedo.

Árvores típicas do cerrado são importantíssimas para a medicina (Foto: Lepafe/Arquivo )
 

 

 

 

G1