União Europeia decide reforçar controles das fronteiras externas

União Europeia decide reforçar controles das fronteiras externas

O ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, afirmou nesta sexta-feira (20) que a União Europeia decidiu reforçar os controles das fronteiras externas do bloco, segundo a agência de notícias Reuters. Os ministros europeus se reuniram em Bruxelas nesta sexta.

"Precisamos ser implacáveis em nossa determinação, precisamos acelerar nossa ação, do contrário, a Europa vai perder seu rumo", disse ele, depois que os 28 governos europeus concordaram em acelerar novas leis para compartilhar dados de passageiros de companhias aéreas, combater o tráfico de armas e assegurar uma checagem mais cuidadosa dos cidadãos europeus que cruzam as fronteiras externas da UE.

"Precisamos agir rápido e com força", acrescentou. "Queremos que a Europa, que perdeu muito tempo em um certo número de temas urgentes, aprove as decisões que lhe são impostas", completou Cazeneuve.

Alguns dos suspeitos do ataque em Paris, que deixou 130 mortos e mais de 350 pessoas feridas no dia 13, eram de nacionalidade belga e francesa, e viajaram para lutar na Síria, mas retornaram à Europa aparentemente sem serem detectados. Oficiais disseram que alguns podem ter aproveitado o grande fluxo de refugiados da Síria durante o verão para escapar dos controles normais das fronteiras.

Cruzamento com bases de dados

Atualmente, os cidadãos dos 26 países do espaço Schengen têm seus documentos checados visualmente pelas forças de segurança, ao entrar e sair da área. A nova proposta deve aumentar o controle, para que esses documentos sejam checados sistematicamente em bases de dados criminais e de segurança.

 

Registros de passageiros
Os ministros também concordaram em desenhar um acordo, até o fim do ano, para compartilhar dados dos passageiros de avião que entram e saem da UE. O programa Registro de Nome de Passegeiros (PNR, na sigla em inglês) é uma proposta que está parada há tempos no Parlamento Europeu, por preocupações com o seu efeito na redução da privacidade dos cidadãos.

 

Agência de inteligência europeia
Outro ponto de discussão entre os ministros é a criação de uma agência de inteligência europeia. A ideia, mencionada nesta sexta por Dimitris Avramopoulos, comissário europeu de assuntos internos e migração, recebe o apoio de alguns países, mas é considerada ruim por outras nações, por causa dos riscos de se tornar soberana sobre assuntos de segurança nacionais garantidos pelos tratados da UE.Medidas propostas

 

Segundo a Reuters, o rascunho das medidas acordadas na reunião desta sexta-feira inclui "implementar imediatamente os controles sistemáticos e coordenados necessários nas fronteiras externas, incluindo os indivíduos que gozam do direito de se movimentar livremente".

 

 

 

G1