TRE faz ‘plano’ para evitar problemas com urnas eletrônicas e acredita em votação mais rápida no segundo turno

TRE faz ‘plano’ para evitar problemas com urnas eletrônicas e acredita em votação mais rápida no segundo turno

Urnas quebradas, demora nas filas, problemas com a biometria, foram as reclamações mais recorrentes no primeiro turno, na Paraíba foram 288 urnas quebradas a maioria em João Pessoa. Para evitar esses empecilhos, a diretora geral do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE), Alessandra Cordeiro, explicou as providências que a Justiça Eleitoral tomou e deu dicas para os eleitores no dia da votação.


Em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, a diretora contou que os preparativos para as eleições caminham com tranquilidade e que as urnas eletrônicas já foram distribuídas para os cinco núcleos de armazenamento que existem no Estado: Pombal, Cajazeiras, Patos, Campina Grande e João Pessoa. A partir dos núcleos, as urnas são encaminhadas para uma das 77 zonas eleitorais e daí realocadas para os locais de votação.


“A instalação das zonas eleitorais ocorre durante o dia de hoje e todo o dia de amanhã”, conta.


Sobre a questão das urnas defeituosas, Alessandra explicou que todas as que apresentaram problemas já foram trocadas, porém, mesmo as utilizadas no pleito de 2008 que não apresentaram defeito, não serão trocadas. Além disso, ela destacou que o TRE obteve mais 300 urnas para contingência. Apesar dos problemas com urnas terem se concentrado mais em João Pessoa, a diretora contou que o percentual de equipamentos defeituosos chegou a apenas 10%, mesmo sendo maior que o dos outros anos, para ela, não justifica a troca de 90% do acervo.


O TRE acredita que a votação não deve apresentar o problema das filas do primeiro turno, pois a votação é para apenas dois candidatos com dois números: “Com certeza vamos ter menos problemas porque esperamos que todo suporte técnico deslocado para o segundo turno e também mais pólos descentralizados, as urnas possam ser mobilizadas com mais facilidade”, diz.


A biometria foi outro problema na votação no primeiro turno, para isso, a diretora pede que os eleitores não usem filtro solar nos dedos ou cremes com muita densidade oleosa, pois isso dificulta a leitura do identificador da urna, assim como de outros identificadores biométricos. “O importante é comparecer munido de documento oficial, já que apenas 23 municípios tem eleição com biometria, os outros 200 não têm e o documento de identidade é obrigatório e se houver problema com a identificação da digital, será habilitado a votar pelo presidente da mesa, com a identidade”, conclui.

 
 


Marília Domingues / Fernando Braz