TJ mantém afastamento de Reginaldo Pereira e a efetivação de Netinho como prefeito de Santa Rita

TJ mantém afastamento de Reginaldo Pereira e a efetivação de Netinho como prefeito de Santa Rita

O Tribunal de Justiça do Estado decidiu manter Reginaldo Pereira afastado do cargo de prefeito de Santa Rita, acatando as denúncias de irregularidades cometidas pelo então gestor da cidade, entre elas de nepotismo e abandono da função por um período superior a 15 dias. Com essa decisão, o vice-prefeito Severino Alves Barbosa Filho, o Netinho, está mantido definitivamente no posto.

“Eu sempre confie na Justiça do meu Estado e a decisão de hoje confirma esse sentimento que tenho do Poder Judiciário da Paraíba”, destacou Netinho durante entrevista a reportagem do portal agora a pouco. Ele adiantou que “estou mais tranquilo, a população de Santa Rita também sabendo que não haverá mais alternância de função”, ressaltou.

Netinho destacou que vai cuidar de resgatar os serviços de saúde, “que encontrei um caos quando retornei pela segunda vez ao cargo”, afirmou. Lembrou que em 48 dias do seu dedicou grande parte da atenção ao atendimento a saúde em decorrência dos inúmeros problemas que encontrou desta vez, sobretudo relacionado ao fechamento de diversos postos.

Adiantou que vai ampliar o atendimento com a implantação de quatro policlínicas. Elas vão atender a população das regiões do município. “Os fornecedores também terão a tranquilidade de trabalhar com a nossa gestão, sabendo que não haverá dificuldade nesta parceria”.

Outro programa idealizado durante a administração do prefeito Netinho na primeira vez em que esteve a frente da Prefeitura, mas interrompido pelo então prefeito Reginaldo, é os “Novos Caminhos”. Tem o propósito de interligar a cidade com os diversos corredores de saída e entrada para outros municípios. “Infelizmente, suspenso na gestão passada, mas que vamos dar continuidade”.

Improbidade

Reginaldo Pereira foi afastado do cargo por improbidade administrativa, tendo cometido diversos crimes durante a sua gestão, o mais grave deles de nepotismo, quando realizou um concurso público para efetivar integrantes de sua família em cargos públicos. Ao todos 20 parentes. Pereira também abandonou a Prefeitura por um período de 15 dias, vedada pela Lei Orgânica do Município.

Outro crime ligado a administração pública praticado pelo então prefeito Reginaldo Pereira diz respeito a aprovação de um Plano de Cargos e Carreira dos servidores da saúde, uma lei de iniciativa da então gestão. No entanto, não foi cumprido.

 

 

 

Paraíba.com.br