Temer garante que o Brasil está pronto para enfrentar o terrorismo durante as Olímpíada

Temer garante que o Brasil está pronto para enfrentar o terrorismo durante as Olímpíada

O presidente em exercício, Michel Temer, disse nesta sexta-feira (15), em entrevista à GloboNews, que o país está "preparadíssimo" para enfrentar ameaças de terrorismo durante a Olimpíada do Rio de Janeiro, que vai começar no dia 5 de agosto.

 Mais cedo, nesta sexta, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, informou que o governo vai "revisar" as medidas de segurança para os jogos em razão das mortes registradas nesta quinta (14) em Nice, na França. Mais de 80 pessoas morreram atropeladas por um terrorista.

"O Brasil está preparadíssimo [para enfrentar ameaças de terrorismo]. Hoje nós resolvemos fazer uma reunião, tendo em vista os acontecimentos da França, ou seja, a segurança será muito maior, para dar conforto e segurança àqueles que frequentam o Rio e as cidades onde se verificarem os jogos", afirmou o presidente à repórter Andreia Sadi.

Temer também citou medidas que o governo tomou para reforçar a segurança durante a Olimpíada, como o decreto, publicado em edição extra nesta sexta, que aumenta em 150% o valor da diária de servidores públicos, entre eles agentes da Força Nacional, que trabalharem no chamado período olímpico, de 24 de julho a 22 de agosto.

"Hoje autorizamos um aumento da gratificação para os membros da Força Nacional, depois de falarmos com os ministros Meirelles [Fazenda] e Padilha [Casa Civil] para que os servidores possam ter condições de vivência adequada lá no Rio", afirmou Temer.

"Além disso, também autorizamos a contratação de inativos da Polícia Militar que poderão voltar à ativa e trabalhar neste mês em q transcorrem as olimpíadas", completou.

 

Impostos
O presidente em exercício disse, na entrevista, que o aumento de impostos é hipótese "distante". Antes disso, ele disse que pretende melhorar a economia vendendo ativos e cortando gastos da União.

"Vou acompanhar o ministro Meirelles. Ele fala em três hipóteses. A primeira é a percepção de recursos por meio da venda de ativos. A segunda é a limitação absoluta de gastos. A terceira hipótese, portanto mais distante, é a eventual fixação de novos tributos ou aumento de tributos", explicou o peemdebista.

Uma das possibilidades ventiladas pela equipe econômica é a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF). A volta do tributo, no entanto, dependeria de aprovação do Legislativo e não há consenso sobre o assunto no Congresso.

 

Lava Jato
Questionado sobre a possibilidade de os desdobramentos da operação Lava Jato – que investiga a participação de políticos em desvios de dinheiro da Petrobras – prejudicarem o governo, Temer disse que a chance de isso acontecer é "zero".
 
"Zero chances. Sempre falo em reconstitucionalizar o país. Cada Poder exerce suas competências. Ninguém pode paralisar o governo porque existe um processo judicial em sequência. Não há possibilidade de interferência da Lava Jato no governo", disse o presidente em exercício.

 

Reforma ministerial
O chefe do executivo declarou ainda não ter "intenção" de fazer uma reforma ministerial no momento, mas que, depois da conclusão do impeachment, se continuar na Presidência, vai examinar a possibilidade.

"Não tenho nenhuma intenção de fazer reforma ministerial. Claro que essas coisas são examináveis. Depois que passar o impedimento, se passar, vou examinar questão ministerial", afirmou Temer.

 

 

 

 

 

G1