Suposto serial killer recebe visita da mãe e 'esboça felicidade', diz defesa

Suposto serial killer recebe visita da mãe e 'esboça felicidade', diz defesa

O vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, de 26 anos, que confessou à polícia ter cometido 29 homicídios em Goiânia desde 2011, recebeu a primeira visita da família após ter sido transferido para o Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, no último dia 22. Uma das três advogadas do rapaz, Leonaine Alves de Camargo informou ao G1 que o rapaz "esboçou uma reação de felicidade" quando soube da presença da mãe e do irmão mais novo.

"Quando anunciei a visita, ele mostrou que estava feliz pela primeira desde que chegou ao presídio", afirmou a defensora. Ainda segundo ela, o encontro foi realizado na manhã de quinta-feira (30)  em uma sala reservada da unidade. Os parentes levaram roupas e conversaram durante cerca de 15 minutos com Tiago.

 

Leonaine afirmou que Tiago recebeu várias ameaças de morte de outros presos quando chegou ao presídio, mas que agora isso já tinha "cessado". Ele segue em uma cela isolada dos outros presos.

A advogada disse ainda que o vigilante está "tranquilo", mas receoso com a situação dos parentes. "Ele está preocupado com a segurança da mãe e dos outros familiares por conta de tudo que aconteceu", pontuou.

Segundo a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus), o encontro se tratou de uma visita assistida, que pode ser requerida pela família de qualquer preso junto à direção do presídio. Nesse caso, a visita dura menos tempo e é acompanhada todo o tempo por um agente carcerário. O órgão informou ainda que visitas comuns aos detentos do Núcleo de Custódia ocorrem todo sábado.

Assim como os outros detentos, Tiago tem direito ao banho de sol diário pelo período de duas horas. A defesa estuda pedir uma nova visita assistida na próxima semana, mas não especificou o dia.

Prisão
Tiago foi preso na capital no último dia 14. Na ocasião, ele confessou à Polícia Civil ter matado 39 pessoas desde 2011. Entretanto, segundo informou o delegado titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), Murilo Polati, o vigilante prestou novos depoimentos na companhia de advogados e reduziu o número de confissões para 29. A polícia afirma que continuará investigando todos os crimes confessados a princípio.

Entre as vítimas estão 15 dos 17 crimes investigados, inicialmente, por uma força-tarefa da Polícia Civil. Os outros assassinatos seriam contra homossexuais e moradores de rua. Exames de balística feitos pela Polícia Técnico-Científica confirmaram até agora oito dos crimes praticados pelo vigilante.

Tiago ficou em uma cela da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) por oito dias. No último dia 20, segundo revelou o delegado Eduardo Prado, o suspeito afirmou aos policiais que "estava com vontade de matar". "Ele perguntou para os agentes [que] se matar algum indivíduo dentro do presídio [se] ele responderá criminalmente por isso", disse o delegado.

No dia 22, Tiago foi transferido para o Núcleo de Custódia no último dia 22. Mesmo escoltado por 20 policiais, ele conseguiu agredir um fotógrafo com um chute no abdômen antes de ser colocado no carro. No dia seguinte, o delegado Murilo Polati afirmou, durante entrevista coletiva, que o vigilante voltou a fazer ameaças de morte, desta vez, para os detentos do Núcleo de Custódia.


 

G1