STJD vai investigar por crime de racismo auditor que colaborou com a expulsão do Grêmio da Copa do Brasil

STJD vai investigar por crime de racismo auditor que colaborou com a expulsão do Grêmio da Copa do Brasil

Durante o julgamento do caso de racismo contra o goleiro Aranha, do Santos, na partida contra o Grêmio, em Porto Alegre, um integrante do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) chamou a atenção de quem acompanhava a sessão, na quarta-feira, no Rio de Janeiro, por não largar do smartphone. Encerrado o julgamento, em que o Grêmio foi condenado, por unanimidade, pelo comportamento de sua torcida, o advogado Ricardo Graiche reconheceu que “estava no Facebook” enquanto a sessão, exibida ao vivo por sites esportivos e canais de TV a cabo, discutia a culpa do clube gaúcho no episódio. “Um monte de gente me adicionou no meio da sessão”, contou Graiche. Horas depois, porém, o auditor do STJD, um dos cinco responsáveis pela decisão que eliminou o Grêmio da Copa do Brasil, já não tinha mais perfil na rede social mais popular do planeta. Graiche deletou sua conta no Facebook depois que a Rádio Gaúcha divulgou que o auditor já tinha postado e compartilhado imagens com temática preconceituosa. Agora, num desdobramento inusitado do caso, o STJD investiga um de seus próprios integrantes por comportamento racista. O tribunal confirmou que Graiche agora deverá responder sobre as imagens que ele publicou ou curtiu enquanto ainda estava no Facebook.

As imagens de cunho racista eram antigas. Uma delas, de agosto de 2012, mostrava um bebê negro envolvido num rótulo do refrigerante Pepsi, com uma tampa plástica em sua cabeça. “Quer um gole?”, dizia a mensagem que acompanhava a foto no perfil de Graiche. Outra imagem mostrava a mão de um negro e uma embalagem do chocolate Twix, comparando dois dedos do homem às barras do doce. Graiche ainda compartilhou uma foto em que um homem negro estava pendurado num poste de energia. “Deve ser aberto um auto para apurar isso, pois arranha a nossa imagem”, disse outro auditor do STJD, Décio Neuhaus, sobre o comportamento do colega, em entrevista à Rádio Gaúcha. “Eu vi os absurdos que ele tinha no Facebook. Se for comprovado, é algo altamente condenável, essa pessoa não teria condição de julgar ninguém por racismo.” Logo depois que a rádio descobriu as imagens no perfil do auditor, Graiche – que usou a câmera de seu smartphone para registrar cenas do julgamento de quarta – apagou as fotos com temática racista. Em seguida, ele excluiu seu perfil da rede. Ele não falou publicamente sobre as imagens. O Grêmio já tinha dito que recorreria da decisão do STJD que o responsabilizou pelo comportamento racista de seus torcedores na partida.

 

Veja