STJ determina prisão de presidente da AL

STJ determina prisão de presidente da AL

O Superior Tribunal de Justiça determinou a prisão do presidente da Assembleia Legislativa de Roraima deputado Jalser Renier (SD) nesta quinta-feira (6), após pedido do Ministério Público Federal.

A Superintendência de Comunicação da Assembleia Legislativa de Roraima informou que “nem a Casa e nem o presidente foram oficialmente intimados da referida decisão, e somente irão se manifestar após ter conhecimento do inteiro teor da decisão”.

O STJ deterimou o “imediato recolhimento do embargante à prisão”. São embargantes no processo Jalser Renier e Itelvina da Costa Padilha, mãe do parlamentar. A decisão também determinou que o tribunal local expeça o mandado de prisão e guia de recolhimento provisório.

Renier foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região a seis anos e oito meses de reclusão e a 443 dias-multa pelo crime de peculado no escândalo conhecido como ‘Escândalo dos Gafanhotos’.

Na petição em que pediu a condenação do deputado, o MPF explica como funcionava o esquema: “O então governador Neudo Ribeiro Campos distribuía quotas dos recursos federais aos seus afilhados  políticos, notadamente deputados estaduais e conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, entre os quais se inclui o Deputado Estadual Jalser Renier Padilha”.

Ainda conforme o órgão, cada beneficado era chamado pelo governador para uma reunião reservada na qual era definida a quota que seria recebida.

“Assim, cada beneficiado não sabia dos demais, nem quanto cada um recebia, formando-se quadrilhas autônomas”, cita um trecho.

Jalser Renier recebia, segundo o MPF, uma ‘cota’ de cargos no governo do estado em troca de apoio prestado ao ex-governador Neudo Campos (PP). Para receber o dinheiro, o deputado só precisava indicar os ‘gafanhotos’ que iriam integrar a folha de pagamento.

 

 

G1