STF determina que mulher e filha de Cunha sejam julgadas por Moro

STF determina que mulher e filha de Cunha sejam julgadas por Moro

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavaski, relator da Lava-Jato, aceitou pedido da Procuradoria Geral da República para que a jornalista Claudia Cruz, mulher do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seja julgada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava-Jato no Paraná.

No início do mês, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou a segunda denúncia contra o presidente da Câmara por suspeita de ligação com o esquema de corrupção da Petrobras. Ele teria recebido mais de R$ 5 milhões em propina de contratos da estatal na África, recursos que teriam abastecido contas secretas de Cunha e familiares no exterior, que pagaram despesas de luxo.

No documento, Janot pede que, como uma das quatro contas encontradas na Suíça está em nome de Claudia e tem uma das filhas do deputado, Danielle Dytz da Cunha, como beneficiária, a investigação sobre elas fique a cargo do juiz federal Sergio Moro, em Curitiba, e não mais do STF.

A aliados, o presidente da Câmara protestou contra a decisão, lembrando que Janot pediu que a ex-deputada Solange Almeida (PMDB) fosse julgada junto com ele no STF por supostamente participarem do mesmo esquema para pressionar empresas a pagarem propina – e os ministros acolheram o pedido da PGR. Para o pemedebista, a posição do Ministério Público é política, para lhe pressionar.

Para a defesa, o pedido de Janot não encontra justificativa e poderá dificultar a elucidação do caso. "A remessa da apuração da conduta da peticionante [Claudia] ao primeiro grau [Moro] exigiria uma duplicidade de esforços probatórios. Fatos como a licitude dos recursos do denunciado [Cunha], a regularidade das contas, e a compatibilidade dos gastos familiares com a renda podem ser todos demonstrados de uma única vez, em um único ato, de forma a aproveitar a toda a entidade familiar", disseram os advogados em petição enviada ao ministro do Supremo na semana passada.

"Ora, se a alegada conta da peticionante [Claudia] seria o instrumento pelo qual o denunciado ocultou parte de seu patrimônio, e se seus gastos pessoais são indicativo de consumo familiar incompatível com a renda, inegável que a produção probatória referente a Eduardo Cunha aproveita a peticionante, seja para beneficiar, seja para agravar sua situação processual", completou.

 

 

 

Valor