Sobe para 120 número de mortos em terremoto no centro da Itália

Sobe para 120 número de mortos em terremoto no centro da Itália

Um forte terremoto foi registrado na madrugada desta quarta-feira (24) no centro da Itália, provocando danos severos em algumas regiões e vários mortos.

O tremor provocou pelo menos 120 mortes, segundo o primeiro-ministro Matteo Renzi e o departamento de Proteção Civil.

Muitas pessoas ainda estão debaixo de escombros, e o balanço de vítimas deve se agravar nas próximas horas. Segundo o Itamaraty, não há brasileiros entre as vítimas. Leia a nota na íntegra divulgada nesta terça-feira às 8h25:

“O governo brasileiro tomou conhecimento, com pesar, do forte terremoto que atingiu a região central da Itália na madrugada desta quarta-feira, causando dezenas de vítimas fatais e significativa destruição material, principalmente na cidade de Amatrice. A Embaixada e o Consulado-Geral em Roma estão monitorando a situação. Até o momento, não há registro de brasileiros entre as vítimas. O governo brasileiro expressa sua solidariedade aos familiares das vítimas, ao povo e ao governo da Itália.”

O terremoto atingiu cidades e vilarejos montanhosos do centro do país, o que torna as operações de resgate ainda mais difíceis, disse a porta-voz do departamento Immacolata Postiglione.

Em sua audiência geral desta quarta (24), o papa Francisco exprimiu sua “grande dor” pelo terremoto que “devastou zonas inteiras e deixou mortos e feridos” no país.

O serviço geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) informou que o tremor teve magnitude 6,2, e segundo a rede de televisão “Rainews 24”, o epicentro foi situado entre as cidades de Perugia e Rieti, a pouco mais de 150 km a nordeste de Roma.

A profundidade do terremoto, ocorrido precisamente às 3h36 (22h36 de Brasília), foi de apenas 10 km, o que representa um alto potencial de causar grandes danos e vítimas, segundo o USGS.

O serviço geológico já registrou algumas réplicas, uma delas de magnitude 5,5, e informou que os tremores devem continuar por pelo menos mais alguns dias.

 

 

G1