Sobe e desce do dólar faz turistas do Brasil trocarem destinos de viagem

Sobe e desce do dólar faz turistas do Brasil trocarem destinos de viagem

Depois de atingir o maior valor de sua história frente ao real em 2015 e recuar em 2016, o dólar tem feito muitas pessoas mudarem o destino de suas viagens para fugir de encarecimentos desesperados. Agora, com incertezas sobre a tendência da moeda – que só nas últimas semanas foi de R$ 3,44 a R$ 3,60 –, turistas tentam entender se viajar para destinos nacionais tornou-se mais vantajoso.

Este é o caso da empresária Monique Fernandes, de 30 anos, que em 2014 foi surpreendida por uma alta da moeda quando já tinha gastos em dólar no cartão. “Eu fui para os Estados Unidos a trabalho. Saí com o dólar a R$ 2,40, e foi para R$ 2,80. O hotel estava pago no cartão. A gente se desespera. ”

Depois do susto, ela decidiu planejar a próxima viagem com mais antecedência. Seria novamente para os Estados Unidos, em julho de 2015. “Na doce ilusão, pensei que o dólar fosse cair. Só aumentou”. Naquele mês, o dólar comercial, mais barato que o turismo, bateu R$ 3,42.

“Adiei e planejei para ir neste ano. Mas agora, com a crise se agravando, o dólar ainda não está estabilizado. Não sei o que vai acontecer. Então eu desisti da viagem. ”

Disney ou Fernando de Noronha? Sobe e desce do dólar tem feito turistas brasileiros trocarem destinos (Foto: Flavia Mantovani/G1 e Ana Clara Marinho/TV Globo)

O agente Tadeu Parisi, que tem uma agência de turismo na Zona Leste de São Paulo há 20 anos, conta que a forte alta do dólar no ano passado e o movimento de queda nas últimas semanas fez com que os clientes alternassem a procura por destinos nacionais e internacionais.

“Os destinos nacionais subiram muito, mas isso está começando a se inverter”, afirma ele. “Quando o dólar passou de R$ 4 em 2015, nossos pacotes internacionais caíram praticamente 90%. O pessoal que ia pra Orlando, Nova York, percebeu que com aquele valor era melhor ir para Fortaleza, Foz do Iguaçu. Mas, depois de uns 3 ou 4 meses, os donos de hotéis e pousadas aqui no Brasil aumentaram os preços. O que aconteceu é que depois praticamente se igualou a um produto internacional”, conta.

Parisi conta o caso de uma cliente que desistiu de viajar para o Chile em janeiro, quando o dólar comercial chegou a passar de R$ 4,16, mas voltou atrás. Em abril, o dólar comercial voltou a fechar abaixo de R$ 3,50. “Ela me ligou nesta semana. Aquele mesmo pacote que era R$ 8 mil hoje já baixou para R$ 6,5 mil. O valor da passagem em dólar caiu muito. E as companhias ainda estão com promoção por causa da baixa temporada”.

O fator ‘crise’
Mas além da alta dos preços dos destinos nacionais, o agente também aponta a crise como fator que fez com que a procura de turistas diminuísse.

“Hoje o pessoal está procurando emprego, não viagem. Na minha própria empresa tive que mandar funcionárias embora. A procura por viagens caiu em média 50%. Hoje a empresa está bem, mas se estivesse ainda com as funcionárias, estaria em crise”, revela.

Onde o turista gasta mais dinheiro?
Em 2015, os gastos de brasileiros no exterior somaram R$ 17 bilhões, o menor valor para um ano fechado desde 2010. A queda em relação a 2014 foi de aproximadamente 32%. Foi também o primeiro recuo desde 2009.

O Ministério do Turismo não tem dados sobre o número de viagens de turistas brasileiros para destinos nacionais em 2015. O órgão, no entanto, divulgou o crescimento do número de viagens em 2014, ano em que foi realizada a Copa do Mundo no Brasil, em relação ao ano anterior: de 201 milhões para 206 milhões, uma alta de cerca de 2,4%. De 2012 para 2013, o avanço havia sido de 2%.

Já as despesas de turistas estrangeiros no Brasil diminuíram em 2015. No ano passado, eles deixaram US$ 5,84 bilhões no país segundo o Banco Central, com queda de 14,5% em comparação com 2014, quando os gastos somaram US$ 6,84 bilhões. Também foi o menor valor, para um ano fechado, desde 2010 – quando os gastos de estrangeiros no Brasil somaram US$ 5,26 bilhões.

O número de turistas estrangeiros no Brasil caiu quase 2% entre 2014 e 2015. A queda já era esperada, também por conta da realização da Copa em 2014.

Apesar do recuo, o Ministério do Turismo ressalta que os números de 2015 apresentam um crescimento de 8,5% em relação a 2013, quando o país recebeu 5.813.342 visitantes internacionais.

 

 

 

 

G1