Sob gritos de 'não vai ter golpe', Dilma diz que irá lutar pelo mandato

Sob gritos de 'não vai ter golpe', Dilma diz que irá lutar pelo mandato

Em seu primeiro evento público após a aceitação do pedido de impeachment pela Câmara, a presidente Dilma Rousseff (PT) foi recebida nesta sexta-feira (4) por um auditório lotado com gritos de "não vai ter golpe". Ela voltou a dizer que foi eleita democraticamente e afirmou que irá lutar "com todos os instrumentos" em defesa de seu mandato.

O PT e setores da esquerda têm classificado como um "golpe" a possibilidade de afastamento da presidente pela Câmara.

A plateia também entoou um "fora, Cunha", em referência ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável pela decisão de acatar a denúncia contra a presidente. Dilma também foi saudada pelo grito de guerra "olê, olê, olá, Dilma, Dilma". A reportagem ouviu poucos gritos de 'Fora, Dilma' durante o discurso da presidente, vindos de parte menor do público.

A presidente participou nesta sexta-feira (4) da 15ª Conferência Nacional de Saúde, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. A conferência reúne os conselhos de saúde de Estados e municípios, formados por representantes de usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) e por gestores públicos.

"Vocês não imaginam como isso que vocês estão fazendo faz bem para a alma da gente", disse Dilma ao iniciar seu discurso agradecendo a recepção.

Ela chegou ao evento junto com o ministro da Saúde, Marcelo Castro, do PMDB, mesmo partido de Cunha.

Em seu discurso, Dilma também voltou a defender os princípios democráticos. "Essa conferência é integrada por cidadãos e por cidadãs brasileiras. E eu digo isso em especial porque ela ocorre num momento importante para a história do nosso pais. Um momento em que se torna necessário, obrigatório, reafirmar princípios, preservar direitos e reforçar a luta pela democracia", declarou, em mais uma referência ao pedido de impeachment.

"Eu vou fazer a defesa do meu mandato com todos os instrumentos previstos no nosso Estado Democrático de Direito. Tal como faço hoje vou continuar dialogando com todos os movimentos da sociedade para mostrar que essa luta não é em favor de uma pessoa, partido ou grupo de partidos. É uma luta em defesa da democracia desse país, construída com muito esforço ao longo das últimas gerações", declarou a presidente.

Ao encerrar seu discurso, Dilma afirmou que os presentes ao evento, além de cuidar da "saúde das pessoas" também teriam que cuidar da "saúde da democracia". "Para a saúde da democracia, nós temos de defendê-la contra o golpe", afirmou.

 

 

UOL