Senador paraibano deverá ser escolhido relator das contas do governo Dilma, que o TCU rejeitou

Senador paraibano deverá ser escolhido relator das contas do governo Dilma, que o TCU rejeitou

Ainda não está oficializado, mas o senador Raimundo Lira (PMDB) deverá ser escolhido relator das contas do governo Dilma Rousseff, referente ao exercício financeiro de 2014, rejeitadas ontem, por unanimidade, pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Uma coisa é certa: o processo irá tramitar na Comissão Mista de Orçamento (CMO), que tem como vice-presidente o parlamentar da bancada paraibana no Senado.

Além de Lira, estão cotados para relator das contas do governo os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Dário Berger (SC), conforme notícia veiculada pela Folha de São Paulo. Toda essa movimentação acontece depois da rejeição das contas do Tribunal de Contas da União.

A Folha conta que a presidente da CMO, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), revelou que e a votação das contas de Dilma pode se dar na comissão até o fim deste ano. “Acredito que a comissão vai seguir os prazos legais, nada a mais, nada a menos. Não vai pedir para estender os prazos. Não há como procrastinar e ficar criando cenários incomuns a um processo tão delicado e importante como é a votação dessa prévia de relatório do TCU”, afirmou a senadora logo após se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Conforme o noticiário, o TCU ainda não enviou ao Congresso Nacional o processo de rejeição das contas do governo do PT. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), encaminhará o relatório do tribunal para a CMO. O prazo quando chegar a comissão será de 40 dias para a indicação do relator e ter o parecer preliminar apresentado.

“De acordo com parlamentares, Rose deverá escolher um senador do PMDB para ser o relator do processo na comissão a pedido do líder do partido na Casa, Eunício Oliveira (CE). Os senadores peemedebistas que integram a comissão são Valdir Raupp (RO), Raimundo Lira (PB) e Dário Berger (SC), que é suplente”, diz a reportagem da Folha.

 

 

Folha/Redação