Sem 'riscos fiscais', governo prevê rombo de R$ 152,4 bilhões em 2016

Sem 'riscos fiscais', governo prevê rombo de R$ 152,4 bilhões em 2016

O ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, declarou nesta terça-feira (7) que, sem os chamados "riscos fiscais", o governo prevê um rombo nas contas públicas de até R$ 152,4 bilhões neste ano.

Esse valor está dentro dos R$ 170,5 bilhões já aprovados pelo Congresso Nacional, mas depende da aprovação, pelo Legislativo, de uma autorização para R$ 8,8 bilhões em créditos extraordinários - cujo pedido será enviado nos próximos dias.

Segundo o ministro, os riscos fiscais, que não estão embutidos na previsão de um rombo de até R$ 152,4 bilhões neste ano, são a renegociação da dívida dos estados com a União - cujo processo foi retomadao pela nova equipe econômica - além de incertezas sobre o montante de recursos que ingressará nos cofres públicos por conta da repatriação de recursos no exterior.

“O que está sendo liberado, considerando a solicitação de créditos orçamentários que está sendo enviada ao Congresso, de 8,8 bilhões [e que ainda precisam ser confirmados], é R$ 152,4 bilhões [de estimativa para o déficit fiscal deste ano]”, declarou o ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira. 

Segundo ele, os R$ 18,1 bilhões ficarão reservados, e não serão liberados neste momento, aguardando a confirmação, ou não, dos chamados riscos fiscais. “Buscaremos um resultado melhor do que esse limite máximo que está previsto de até R$ 170,5 bilhões [de resultado negativo para as contas do governo neste ano]”, acrescentou o ministro.

 

 

 

 

G1