Seleção vira contra a França em Paris e vence a sétima partida no pós-Copa

Seleção vira contra a França em Paris e vence a sétima partida no pós-Copa

7 a 0 para o Brasil. Não, não é sonho com a revanche da Copa do Mundo, e sim o retrospecto depois do torneio: sete jogos, sete vitórias. Nesta quinta-feira, talvez o mais difícil desses sete “gols” foi marcado. A Seleção saiu atrás da França, mas virou com autoridade no Stade de France, palco da final de 1998 e onde o Brasil jamais havia marcado sequer um gol em três jogos contra os anfitriões: 3 a 1.

Colômbia, Equador, Argentina, Japão, Turquia, Áustria e França. É claro que nada tira o peso do vexame do Mineirão, mas nesses amistosos, o Brasil jogou como exige o futebol moderno: compacto, rápido, letal. Sinônimos de Neymar, que fez seu 43º gol pela Seleção e igualou-se a Jairzinho (presente na comissão técnica) e Rivellino na quinta posição do ranking.

Varane rima com Zidane. Quando fez 1 a 0 em cabeçada certeira e muito parecida com a do gênio há 17 anos, o fantasma ameaçou rondar Paris. Só ameaçou. Varane é só Varane. Zidane surgiu em campo apenas antes do jogo, para ser homenageado ao lado de Desailly, Vieira e Thierry Henry, craques históricos da França.

Aplicado na marcação, o Brasil usou e abusou do “estilo Dunga”. Combate intenso, e muita velocidade entre roubar a bola e finalizar. Neymar de dentro da área e Firmino de fora exigiram boas defesas de Mandanda, mas nada semelhante ao que fez Jefferson, monstruoso ao defender cabeçada de Benzema e finalização de Griezmann.

7 a 0 para o Brasil. Não, não é sonho com a revanche da Copa do Mundo, e sim o retrospecto depois do torneio: sete jogos, sete vitórias. Nesta quinta-feira, talvez o mais difícil desses sete “gols” foi marcado. A Seleção saiu atrás da França, mas virou com autoridade no Stade de France, palco da final de 1998 e onde o Brasil jamais havia marcado sequer um gol em três jogos contra os anfitriões: 3 a 1.

Colômbia, Equador, Argentina, Japão, Turquia, Áustria e França. É claro que nada tira o peso do vexame do Mineirão, mas nesses amistosos, o Brasil jogou como exige o futebol moderno: compacto, rápido, letal. Sinônimos de Neymar, que fez seu 43º gol pela Seleção e igualou-se a Jairzinho (presente na comissão técnica) e Rivellino na quinta posição do ranking.

Varane rima com Zidane. Quando fez 1 a 0 em cabeçada certeira e muito parecida com a do gênio há 17 anos, o fantasma ameaçou rondar Paris. Só ameaçou. Varane é só Varane. Zidane surgiu em campo apenas antes do jogo, para ser homenageado ao lado de Desailly, Vieira e Thierry Henry, craques históricos da França.

Aplicado na marcação, o Brasil usou e abusou do “estilo Dunga”. Combate intenso, e muita velocidade entre roubar a bola e finalizar. Neymar de dentro da área e Firmino de fora exigiram boas defesas de Mandanda, mas nada semelhante ao que fez Jefferson, monstruoso ao defender cabeçada de Benzema e finalização de Griezmann.

Para vencer, o Brasil precisava dos melhores jogadores pós-Copa: Willian e Neymar. O meia do Chelsea encontrou o atacante do Barcelona, que invadiu a área e, já num ângulo difícil, acertou um chute que só é permitido a craques. Uma bomba!

Também saiu dos pés de Willian o terceiro gol, em cobrança de escanteio para Luiz Gustavo cabecear no cantinho. Gol que jogou nas águas do Rio Sena a pressão francesa e trouxe o jogo para total domínio. A primeira vitória no Stade de France foi embalada por “olé”. Zidane, das tribunas, deve ter gostado. Melhor para o Brasil que ele veja de fora...

No próximo domingo, o adversário será o Chile, em Londres. Depois, em maio, Dunga já convocará para a Copa América, que será disputada em junho, no Chile. A partida será transmitida ao vivo pela TV Globo, Sportv e GloboEsporte.com. O site também acompanha em Tempo Real.

 

 
 
 

globoesporte