Secretário atribui à queda do FPM possibilidade de atraso do pagamento dos servidores estaduais

Secretário atribui à queda do FPM possibilidade de atraso do pagamento dos servidores estaduais

Ainda não é oficial, mas o Governo do Estado deverá atrasar o pagamento dos servidores referente ao mês de janeiro. Ou seja, será a primeira vez que esta gestão não irá pagar dentro do mês trabalhado. Decorre da queda dos valores repassados pela União do Fundo de Participação dos Estados (FPE), cuja primeira parcela veio com R$ 80 milhões a menos em comparação a 2014.

Secretário das Finanças e Planejamento, Tárcio Pessoa admitiu o “atraso” em que o Estado, pela primeira vez, não efetuará o pagamento dentro do mês trabalhado. “O nosso esforço é continuar pagando em dia, mas a possibilidade é real de utilizarmos a última quota do mês do FPE para pagar os funcionários no mês subsequente”, lamentou o auxiliar do Palácio da Redenção.

A palavra “atraso” ainda não está sendo ventilada pelos setores econômicos do governo estadual. Tanto é que o secretário Tárcio Pessoa prefere usar a nova realidade de “mudança de política de pagamento”, destacando que “o Estado tem até o quinto dia útil do mês posterior para quitar a folha”.

Em recente entrevista ao programa Rede Verdade, do Sistema Arapuan, Tárcio disse que “estamos navegando no escuro”. Nesta terça-feira (12), ele repetiu a frase ao expor a redução do Fundo de Participação dos Estados, a primeira quota de 2016. Comparando aos dois anos anteriores, em 2015 foram R$ 139 milhões e em 2014 o valor chegou a R$ 170 milhões.

Enquanto isso, as despesas na folha de pessoal só crescem. A folha vai para R$ 70 milhões a mais este ano por causa do reajuste do salário-mínimo.

 

 

Redação/Maispb