Secretaria revela que PB registrou 30 casos da doença que matou mulher em Cajazeiras e 17 deles morreram

Secretaria revela que PB registrou 30 casos da doença que matou mulher em Cajazeiras e 17 deles morreram

A Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba, por meio da Gerência Executiva em Saúde, divulgou nessa terça-feira (14), a situação epidemiológica da Síndrome Guillain Barré (SGB) na Paraíba. 

De acordo com a Secretária de Estado, entre janeiro de 2010 a maio de 2015 foram registrados 30 casos, sendo que 17 foram a óbito e 13 conseguiram sobreviver. 

No Sertão, três cidades registraram casos da síndrome, que ficou evidenciada após morte da escrivã da Polícia Civil de Cajazeiras Luciene Galdino de Souza, em maio deste ano. Além de Luciene, mais duas pessoas de Cajazeiras foram acometidas pela grave doença, são elas: Brenda Gomes e Marcelo Holanda. Estes conseguiram sobreviver. Em Cajazeiras os três casos foram registrados somente este ano.

Na cidade de Uiraúna foram registrados dois casos da doença no ano de 2011 e os dois pacientes morreram. Em Santana de Mangueira, Vale do Piancó, também foi a óbito uma pessoa acometida da síndrome no ano passado.

Entrevista
O infectologista da cidade de Cajazeiras, Rodolpho Dantas Mafaldo Pinto prestou entrevista à imprensa nesta quarta-feira (15) e falou sobre a temida doença, que pode matar em poucos dias. 

Rodolpho Dantas falou que a síndrome é de fácil diagnóstico, pois o primeiro sinal que o paciente apresenta é ficar sem forças nas mãos e pés. “O paciente fica mole e essa moleza vai saindo dos pés para coxas, joelhos e quadril”.

Explicou ainda que a síndrome ocorre após aquisição de outra doença, entre elas a Zika Vírus e a dengue. Ele informou que essa doença não é nova, mas ficou mais conhecida agora devido ao aumento de casos. “Essa síndrome ocorre após duas semanas depois da dengue ou zika”.

Segundo Rodolfo, os homens têm 50% de chance a mais do que as mulheres de adquirirem a Síndrome Guillain Barré. Ele disse que o exame para detectar a doença é igual ao procedimento da Menigite e o tratamento não existe em Cajazeiras. “O exame a gente retira o líquido da coluna e verifica se tem muita proteína. Se tiver, o diagnóstico é praticamente fechado”. 

Diagnóstico
O diagnóstico da SGB é primariamente clínico (sinais e sintomas) e laboratorial (análise do líquido cefalorraquidiano - Elevação da proteinorraquia acompanhada por poucas células mononucleares e diagnóstico eletrofisiológico). No entanto, exames complementares são necessários para confirmar a impressão clínica e excluir outras causas de paraparesia flácida.

Tratamento
Existem dois tipos de tratamento para SGB: (1) antecipação e manejo das comorbidades associadas; (2) tratamento da progressão dos sinais e sintomas visando menor tempo de recuperação e minimização de déficit motor. Não há necessidade de tratamento de manutenção fora da fase aguda da doença.

O tratamento específico da SGB visa primordialmente acelerar o processo de recuperação, diminuindo as complicações associadas à fase aguda e os deficit neurológicos residuais a longo prazo. Não está indicado uso de glicocorticoides. 

 

 

 

 

Diário do Sertão