Secretaria de Saúde notifica 118 casos de influenza e sete mortes na Paraíba

Secretaria de Saúde notifica 118 casos de influenza e sete mortes na Paraíba

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) notificou nos quatro primeiros meses deste ano 118 casos de para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e, destes, 11 (9,3%) foram confirmados para o agente etiológico influenza A (subtipo H1N1), o mesmo que circula desde 2009. Entre os casos notificados até o momento, em 14 deles (11,9%) foi descartada a presença do vírus de influenza. Os demais seguem em investigação. Os dados corresponde ao período de 1º de janeiro a 30 de abril de 2016 (17ª Semana Epidemiológica) divulgados pela SES.

 “Nota-se um aumento considerável do número de casos se comparado ao ano de 2015, quando tinham sido notificados 12 casos de SRAG e, entre eles, apenas um caso identificado com o vírus influenza. Entretanto, a situação não é de alarde, mas, sim, de vigilância”, observou a gerente de Vigilância Epidemiológica da SES, Izabel Sarmento, completando que, com o aumento das chuvas, é natural que a síndrome gripal apareça e o número de casos está dentro do esperado para esta época do ano.

No que se refere ao cenário dos óbitos, foram comunicados 25 casos de SRAG com suspeitas de vírus de influenza, sendo sete confirmados a identificação viral para influenza A (H1N1) nos municípios de Alagoinha (1), Baía da Traição (1), Cacimba de Dentro (1), Campina Grande (1) João Pessoa (1), Maturéia (1) e Monteiro (1). Quatro mortes foram descartadas para o agente etiológico de influenza e 14 óbitos seguem em investigação.

A SES recomenda à população e a todos os serviços de saúde que sejam intensificadas ações de prevenção e controle da influenza. “Para prevenir, é fundamental a lavagem frequente das mãos, evitar locais com aglomeração de pessoas, evitar ir ao trabalho com quadro gripal nas primeiras 48 horas, evitar levar crianças com gripe para a escola. Para os profissionais, é imprescindível o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e manter a vigilância dentro do serviço – identificando precocemente os casos suspeitos e intervindos oportunamente para que estes não cheguem à gravidade, podendo culminar em óbito”, orientou Izabel Sarmento.

Vacinação – A campanha de vacinação contra a influenza começou oficialmente no dia 30 de abril e vai até 20 de maio. A vacina tem duração de um ano e não previne a doença – a imunização previne complicações que a gripe pode causar como síndromes e hospitalizações.

No Estado, a população do grupo prioritário é de 946.103 pessoas e a meta é vacinar pelo menos 80% (759.280 pessoas). Até o momento, foram imunizadas 268.860 pessoas contra a influenza na Paraíba, número que representa 31,51% da meta.

Para este ano, os grupos prioritários da vacinação contra a gripe são: crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas (mulheres que tiveram bebês nos últimos 45 dias), trabalhadores de saúde, povos indígenas, indivíduos com 60 anos ou mais de idade, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, além das pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independe da idade. O público-alvo deve apresentar o cartão de vacinação nos postos.

Sintomas – De acordo com a chefe do Núcleo de Doenças Transmissíveis Agudas da SES, Anna Stella Pachá, a gripe simples é aquela em que o paciente está bem, podendo evoluir tranquilamente em casa com hidratação e repouso. Já a síndrome respiratória aguda grave é quando o paciente tem necessidade de internamento. “É exatamente nestes casos graves que deve acontecer a notificação e a coleta de amostras. Esse cuidado maior serve para identificar corretamente as causas da complicação: se realmente é a influenza ou um resfriado e qual o tipo do vírus”, explicou.

As amostras a serem encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB) devem ser coletadas até o sétimo dia do início dos sintomas, preferencialmente no terceiro dia, onde normalmente a excreção viral é maior. O profissional deve evitar coletar amostras com mais de sete dias, porque certamente o paciente não estará mais excretando o vírus e o exame dará negativo ou impreciso. As amostras precisam ser coletadas corretamente para que seja identificada com precisão a presença do vírus H1N1 ou outro que tenha ocasionado a influenza.

 

 

 

 

Click PB