Saúde registra mais de 30 mil casos suspeitos de dengue e 8.276 de chikungunya na Paraíba

Saúde registra mais de 30 mil casos suspeitos de dengue e 8.276 de chikungunya na Paraíba

A Secretaria Estadual de Saúde registrou aumento no número de casos pessoas contaminados por dengue, chikungunya e zika neste ano. A dengue, no entanto, continua sendo a doença com maior número de registros, com 30.610 casos prováveis de dengue. Em igual período de 2015, foram registrados 13.092 casos suspeitos da doença, evidenciando um acréscimo de 133,80%. 
Os dados foram publicados (21ª semana epidemiológica de sintomas) que aponta ainda o registro de quatro óbitos confirmados e 16 em investigação. 

Ainda segundo o boletim, no mesmo período foram notificados 8.276 casos suspeitos de chikungunya. Foram notificados também sete óbitos suspeitos da doença, nos municípios de Monteiro (1), Aroeiras (1), João Pessoa (2), São José do Umbuzeiro (1), Soledade (1) e Santa Cecília (1). Destes, dois óbitos foram confirmados e os demais estão em investigação. A faixa etária varia de recém-nascido até 92 anos, mostrando que a susceptibilidade independe da idade. 

Com relação ao zika vírus, de 1º de janeiro a 30 de maio de 2016, foram registrados 3.003 casos notificados como suspeitos (Sinan NET). Existem atualmente na Paraíba três Unidades Sentinelas do zika vírus implantadas (Bayeux, Campina Grande e Monteiro), conforme recomendação do Ministério da Saúde. 

O boletim destaca que a estratégia mais efetiva para evitar os óbitos causados pela dengue, zika e chikungunya é a detecção precoce dos casos suspeitos combinado com o manejo correto, de acordo com o agravo. “Ao apresentar sintomas o usuário deve procurar imediatamente a Equipe de Saúde da Família ou serviço de saúde mais próximo”. 

Para a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Renata Nóbrega,  “A hidratação é fundamental e salva vidas, a ingestão de líquidos via oral pode e deve ser realizada em qualquer local e de forma constante; e o profissional da saúde irá informar o volume diário a ser ingerido, conforme protocolo do Ministério da Saúde”. 

Situação Laboratorial – Em 2016, foram analisados pelo Lacen-PB 3.009 amostras sorológicas para dengue (413 reagentes, 2.476 não reagentes e 120 indeterminadas). Este ano já existem exames comprobatórios da circulação da doença em 84 municípios. 

Para todos os casos com sinais de alarme, graves e óbitos suspeitos de dengue, a SES recomenda a coleta oportuna e envio imediato ao Lacen-PB. 

Quanto ao zika vírus, em 2015 foi detectado a doença aguda por este vírus nos municípios de João Pessoa, Campina Grande, Olivedos e Cajazeiras. Já em 2016, exames laboratoriais comprovaram a circulação da doença nos municípios de Caldas Brandão, João Pessoa, Guarabira, Conceição, Pilões, Itabaiana e Campina Grande. 

Guillain-Barré e outras manifestações neurológicas – Foram informados pelos serviços hospitalares, de julho de 2015 até o momento, 38 casos suspeitos, sendo 16 descartados, seis confirmados e 16 em investigação por suspeita de ter correlação com chikungunya/zika vírus/ dengue. 

A SES, por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, vem recomendando a todos os serviços de saúde a comunicação à Área Técnica Estadual da Vigilância Epidemiológica e a Coordenação Estadual dos Núcleos Hospitalares de Vigilância Epidemiológica, por meio de formulário com dados específicos, com o objetivo de acompanhar e investigar quais possíveis agentes etiológicos desencadearam as manifestações neurológicas com infecção viral prévia de até 60 dias antes. 

Vigilância Ambiental – Para o controle vetorial, a Gerência de Vigilância Ambiental – SES recomendou a realização do LIRAa no mês de abril, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. O levantamento foi realizado em 222 municípios. Destes, 34 (15,2%) foram classificados como satisfatórios, 105 (47%) em alerta e 83 (37,2%) como em risco. Apenas o município de Remígio não informou seus resultados. 

O Boletim Epidemiológico ressalta que os municípios de Fagundes, Olivedos, Sousa, Riacho dos Cavalos, Lagoa Seca, Juazeirinho, Cajazeiras, Uiraúna, Pocinhos, Solânea, Nova Floresta, Nazarezinho, Alagoa Grande, Pedra Lavada e Santa Terezinha tiveram aumentos consideráveis nos Índices de Manifestação pelo Aedes aegypti em comparação ao LIRAa de março de 2015. 

Mudança na Portaria de Notificação Compulsória – Na Portaria GM Nº 204, de 17 de fevereiro de 2016, ficou definido que todo óbito suspeito de chikungunya deve ser informado imediatamente à SES. Permanece a orientação de que todo caso suspeito deve ser notificado. 

Além disso, a partir do dia 17 de fevereiro, ficou instituída também a notificação obrigatória para todos os casos suspeitos de zika vírus. A notificação deve ser registrada no Sinan Net. Nos casos suspeitos de zika vírus em gestante e óbitos suspeitos da doença, as Secretarias Municipais de Saúde devem comunicar em até 24 horas à SES, por meio do Cievs (98828 2522) e Núcleo de Doenças Transmissíveis Agudas (3218-7493). A SES destaca que a notificação para os três agravos (dengue, chikungunya e zika vírus) deve ocorrer de acordo com a clínica mais compatível e definição de caso, conforme Ministério da Saúde.

 

 

 

Click PB