Saúde confirma 59 casos de microcefalia no Estado; 790 casos suspeitos estão em 124 municípios

Saúde confirma 59 casos de microcefalia no Estado; 790 casos suspeitos estão em 124 municípios

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) notificou 790 casos suspeitos de microcefalia, distribuídos em 124 municípios, de acordo com a 7ª semana epidemiológica de 2016, concluída nesta terça-feira (23). Dos casos suspeitos, foram confirmados 59 casos (7,47%).

O maior número de casos notificados foi registrado por João Pessoa, com 313 casos, o que representa 39,62% do total de notificações do Estado, seguido de Patos (37), Sapé (22), Bayeux (24) e Conde (19).  Os 59 casos confirmados de microcefalia estão distribuídos em 27 municípios do Estado, sendo os mais atingidos, até o momento: João Pessoa (16), Cabedelo (4), Cacimba de Dentro (4), Campina Grande (3), Conde (3) e Santa Rita (3).

“O Ministério da Saúde considera que houve infecção pelo vírus zika na maior parte das mães que tiveram bebês cujo diagnóstico final foi de “microcefalia e/ou alterações do Sistema Nervoso Central, sugestiva de infecção congênita. Então, é importante esclarecer que desde a sexta semana epidemiológica de 2016 passamos a divulgar os casos confirmados, sem especificação do diagnóstico laboratorial para vírus zika, pois esses dados não representam o número de casos observados (magnitude)”, informou a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Renata Nóbrega.

Ainda de acordo com orientações do Ministério da Saúde, considera-se que todos os casos confirmados estão relacionados à infecção congênita pelo vírus zika. Todos os casos são avaliados individualmente e submetidos a um conjunto de exames de diagnóstico laboratorial e por imagem. Uma proporção muito pequena desses casos, após seguimento e análises específicas, é confirmada para outras causas, mas são tão poucas crianças que isso não altera a avaliação da tendência (aumento ou redução) do número de casos (magnitude).

Dos casos notificados na Paraíba, 18 evoluíram para óbito nos municípios de João Pessoa (4), Santa Rita (2), Sapé (2), Piancó (1), Conde (1), São Miguel de Taipu (1), São Bento (1), São João do Rio do Peixe (1), Campina Grande (1), Juazeirinho (1), Nova Olinda (1) e Parari (1).

De acordo com dados da SES, observa-se que a partir da semana epidemiológica 49/2015, quando o Ministério da Saúde passou a recomendar uma nova definição operacional para notificação de caso de microcefalia para recém-nascidos com perímetro cefálico igual ou inferior a 32 centímetros, ocorreu uma redução no número de casos que se enquadram nesta condição. A alta proporção de casos descartados sugere que muitas crianças normais estavam sendo incluídas com o caso suspeito de microcefalia.

Para outros esclarecimentos, deve-se entrar em contato com o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), por meio do endereço eletrônico: cievs.pb@gmail.com ou pelo telefone: 0800-281-0023.

Ações – O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), encerra na próxima segunda-feira (29) o primeiro ciclo de visitas a imóveis na Paraíba para combater o mosquito Aedes aegypti. De acordo com o Relatório de Acompanhamento de Visitas aos Imóveis, desde o dia 4 de janeiro deste ano até agora, 99,25% dos imóveis paraibanos já foram trabalhados, o que corresponde a um total de 1.168.968.

Os ciclos de visitas são planejados, ininterruptamente, de forma que a totalidade dos imóveis seja inspecionada de acordo com o seguinte cronograma:

1º ciclo – Conclusão até 29 de fevereiro.

2º ciclo – Conclusão até 31 de março.

3º ciclo – Conclusão até 30 de abril.

4º ciclo – Conclusão até 30 de junho.

Para intensificar as atividades, o Estado conta com o apoio de profissionais do Exército Brasileiro, Corpo de Bombeiros, Marinha do Brasil, Polícia Militar, além dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Endemias. A equipe é dividida em duplas que visitam casa a casa, conversam com os moradores a respeito das formas de prevenção e ainda fazem vistoria nos quintais, jardins e até terrenos baldios. O objetivo é detectar e exterminar criadouros e focos do mosquito.

O trabalho com o Exército vem sendo realizado nos municípios de João Pessoa, Campina Grande, Cabedelo, Santa Rita e Bayeux. Com o Corpo de Bombeiros, a atividade está acontecendo nos municípios de Alhandra, Conde, Malta e Monteiro. Nos demais municípios, as visitas são realizadas pelos Agentes de Controle de Endemias (ACE).

O horário de atuação das equipes do Exército e Bombeiros está acontecendo em dias úteis, das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30.

Aedes na Mira: O aplicativo “Aedes na Mira” foi lançado oficialmente pelo Governo do Estado da Paraíba em 16 de dezembro com o objetivo de agilizar o combate ao mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue, zika, chikungunya).

O aplicativo foi desenvolvido por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e a Companhia de Processamento de Dados da Paraíba (Codata), para celulares das plataformas android e IOS. Do aplicativo as demandas são enviadas, de forma imediata, para a Sala de Situação Estadual, localizada na sede da SES, na capital, de onde são encaminhadas para as Secretarias de Saúde dos municípios para as providências. O aplicativo está disponível para celulares e todos os dispositivos móveis, que tenham as plataformas android ou iOS.

Além do aplicativo, as denúncias podem ser feitas através da Central Telefônica (083 3218-7455 ou 0800 083 1341) e via WhatsApp (083 98822-8080). Para facilitar o processo, as pessoas podem encaminhar fotos para que a equipe da SES analise a demanda e as providências sejam tomadas rapidamente.

 

 

 

 

Secom-PB