SAMU regional de Piancó sob denúncias

SAMU regional de Piancó sob denúncias

O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência(SAMU) central de Piancó vem sendo alvo de várias denúncias nos últimos meses. As denúncias vão desde a demora no atendimento as pessoas, perseguição a funcionários, ambulâncias sem médicos e manutenção, entre outros fatos. A coordenação da central de regulação do SAMU de Piancó até o momento preferiu não falar sobre o caso.

 

As denúncias envolvendo o não envio de ambulâncias para as ocorrências e a possível falta de médicos plantonistas no local são as mais frequentes. Há cerca de um mês o próprio coordenador da base descentralizada de Itaporanga Douglas Leite resolveu implodir uma série de denúncias ao SAMU de Piancó. Juntaram-se a ele médicos e secretários de saúde municipais. Segundo Douglas o SAMU de Piancó é um caos, com ambulâncias constantemente quebradas mesmo o Órgão recebendo verbas federais para a manutenção dos veículos e ainda servindo como taxi e o pior sem médicos de plantão.

 

O coordenador ainda denunciou que médicos e alguns enfermeiros não se entendem e denunciou que um médico transferiu um paciente sem que ele recebesse qualquer medicação e o pior não apresentava quadro clinico grave. Douglas Leite coordenador da base descentralizada do SAMU em Itaporanga de foi mais fundo e denunciou que algumas ambulâncias estavam quebradas e que até secretários municipais de saúde autorizavam o transporte de pacientes. O que só deve ser realizado exclusivamente pelo médico da base.

 

Segundo informações o SAMU teria a responsabilidade sobre a morte de pacientes devido à demora no envio das ambulâncias. Douglas Leite disse que o descontrole é visível na Unidade de Piancó responsável pela regulação demais bases dentro e fora da região. A denúncia mais recente ocorreu durante o final de semana. Quando a senhora Antonia Rita da Silva de 75 anos interna no hospital regional de Piancó apresentou um quadro de insuficiência cardíaca e precisou ser removida. Segundo informações do hospital o SAMU foi acionado, mas demorou quatro horas para efetuar o atendimento. A família da paciente e funcionários do hospital assinou uma declaração sobre o fato.

 

Vale News PB