Samarco admite risco de rompimento nas barragens Santarém e Germano

Samarco admite risco de rompimento nas barragens Santarém e Germano

Representantes da mineradora Samarco, cujos donos são a Vale e a anglo-australiana BHP, admitiram que há risco de rompimento nas barragens de Santarém e Germano – que ficam perto da que se rompeu no dia 5 de novembro, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais.

Nesta terça-feira (17), o diretor de operações e infraestrutura da Samarco, Kléber Terra, disse em entrevista coletiva que o fator de segurança na barragem de Santarém é de 1,37 numa escala de 0 a 2, o que significaria uma estabilidade de 37%.

Na de Germano, o diretor afirmou que o dique Selinha – que é uma das estruturas – tem índice de 1,22, o menor em todo o complexo. A Samarco já havia informado que o fator de 1,00 significa que a estrutura está no seu limite de equilíbrio.

Barragem Germano é monitorada após rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, na Região Central de Minas (Foto: Reprodução/TV Globo)

Ainda segundo Terra, estão sendo feitas obras emergenciais nas duas barragens. O diretor explica que blocos de rocha estão sendo colocados de cima para baixo, para reforçar a estrutura. Este procedimento deve durar cerca de 45 dias na barragem de Germano. Na de Santarém, as obras têm um prazo de 90 dias.

O maciço da barragem de Santarém – que é o corpo principal – está preservado, segundo a mineradora. Porém, há danos na crista – o ponto mais alto – e em parte da estrutura do vertedouro, estrutura que permite a saída de água.

 

Danos na barragem de Santarém
Nesta segunda-feira (16), a Samarco afirmou que, diferentemente do que havia informado no dia 5 de novembro, quando disse que duas barragens entraram em colapso, a barragem do Fundão foi a única a se romper.

 

Segundo a mineradora, houve “galgamento” na barragem de Santarém, ou seja, ela transbordou com os rejeitos da barragem de Fundão, mas “o maciço remanescente está íntegro mesmo estando parcialmente erodido”.

O engenheiro especialista em barragens Joaquim Pimenta de Ávila explicou ao G1 que isto significa que Santarém está com capacidade menor de retenção porque está mais baixa. “Ela não se rompeu. Para falar que houve rompimento teria que ter levado tudo. Tem muito rejeito lá ainda. Está cheio de lama”, disse. O engenheiro falou que sobrevoou as barragens.

Nesta segunda-feira, a mineradora havia afirmado que uma intervenção definitiva para reparar os danos está na etapa de estudos de engenharia para escolha da melhor alternativa.

A terceira barragem do complexo, a Germano, tem trincas decorrentes do rompimento da barragem de Fundão, conforme a Samarco. “A estrutura principal da barragem de Germano está preservada. As estruturas auxiliares e as trincas observadas, decorrentes do rebaixamento do reservatório de Fundão, estão sendo monitoradas de maneira intensa e permanente”.

Fantástico obteve, junto ao Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, imagens das rachaduras em Germano, veja abaixo:

Trinca na barragem de Germano, na Região Central de Minas  (Foto: Reprodução/Fantástico)Trinca na barragem de Germano, na Região Central de Minas (Foto: Corpo de Bombeiros/Reprodução/Fantástico)
Parte do degrau da barragem Germano, em Minas, cedeu após o colapso da barragem do Fundão (Foto: Corpo de Bombeiros/Reprodução/Fantástico)Parte do degrau da barragem Germano, em Minas, cedeu após o colapso da barragem do Fundão (Foto: Corpo de Bombeiros/Reprodução/Fantástico)

Segundo a mineradora, as obras de emergência para prevenir o rompimento de Germano e de Santarém já foram iniciadas.

“Todas as estruturas estão sendo monitoradas em tempo real por meio de radares, e inspeções diárias são realizadas pela equipe técnica da empresa. Além disso, estão sendo utilizados drones, escaneamento a laser e a instrumentação geotécnica existente para a avaliação técnica, sendo que para a barragem de Germano, as leituras são automatizadas com aquisição de dados online”, diz o comunicado.

 

Mortes e devastação do ambiente
No dia 5 de novembro, a barragem de Fundão se rompeu provocando um “tsunami” de lama que destruiu o distrito de Bento Rodrigues e varreu outros distritos da região central de Minas Gerais.

 

A lama atingiu o Rio Doce, provocando a morte de peixes e prejudicando o abastecimento de água em cidades banhadas pelo rio. Até a tarde desta segunda-feira, 12 pessoas seguiam desaparecidas, sendo nove funcionários da Samarco e três moradores de Bento Rodrigues.

Quatro corpos aguardavam identificação. Sete mortos na tragédia já foram identificados.

 

 

 

G1