Ruy diz que 'está no páreo' para disputar JP, nega composição com Cartaxo, mas aponta união de oposições

Ruy diz que 'está no páreo' para disputar JP, nega composição com Cartaxo, mas aponta união de oposições

O presidente do PSDB na Paraíba, Ruy Carneiro, foi o entrevistado desta quinta-feira (15), do programa Rádio Verdade da Arapuan FM e afirmou que com a saída do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo do PT, há possibilidade de arcos de aliança entre os partidos. Ele comentou também que está no “páreo” para disputar as eleições na Capital, lembrando que foi citado na recente pesquisa Opinião / Arapuan.

“Quando o prefeito estava alinhado ao PT eu disse que não tinha lógica o PSDB apoiar o PT em uma capital. Em cidades simbólicas não tem nenhum sentido, mas a partir do momento que o prefeito se desfilia, passamos a ter possibilidades de arcos de aliança. É incompatível uma aliança em João Pessoa do PSDB com o PSB do governador, por exemplo, por questões lógicas”, comparou.

Carneiro destacou que João Pessoa é uma cidade que tem dois turnos e que a partir do momento que o prefeito fez esse movimento ele fechou um leque para um lado, mas abriu para o outro. Porém voltou a destacar a candidatura própria. “Em 2010 não tivemos candidato a governador e foi onde o partido perdeu mais gente foi em 2011 e 2012 em 2014 tivemos candidato e o partido ganhou mais gente em 2015. Quem disputa eleição tem simpatizante. Time que não joga não tem torcida”, disse.

O presidente afirmou que o partido está preparando a candidatura a presidente da República em 2018 e que o diretório nacional tem cobrado o máximo de candidatos a prefeito onde tenha mais de 200 mil habitantes e isso passa justamente pelas candidaturas a prefeito.

Com isso, Carneiro destacou que está sim no páreo em João Pessoa. “Se meu nome não fosse lembrado, não me colocariam na pesquisa. A Arapuan me colocou no questionário e citou alguns nomes. Se colocou Ruy Carneiro é porque existe o sentimento real que eu posso ser candidato, mas é coisa a ser discutida no partido. Muitas coisas acontecerão até março”, destacou.

Já sobre compor uma chapa na condição de vice de Cartaxo, como já assinalou o líder do governo na Assembleia Legislativa, Hervázio Bezerra (PSB), Carneiro apontou que essa decisão não passa por sua cabeça. Porém que a decisão partidária prevaleceria. “Se fosse o caso de composição com quem quer se seja, não necessariamente com Luciano, tem o próprio Manoel Júnior (PMDB), Wilson Filho (PTB)... é bom colocar que esse grupo que teve quase 25% na pesquisa esteve junto na eleição passada”, disse, apontando que o PSDB só não se compõe com o PSB.

A respeito das mudanças que podem acontecer até março, o presidente lembrou da brecha aprovada na reforma eleitoral onde do dia 2 de março a 2 de abril os parlamentares podem trocar de partido.

 

 


Marília Domingues