Rui Falcão chama de 'arbitrária' ação da PF em empresas do filho de Lula

Rui Falcão chama de 'arbitrária' ação da PF em empresas do filho de Lula

Após participar de reunião da Comissão Executiva Nacional do PT nesta quarta-feira (28), em Brasília, o presidente do partido, Rui Falcão, classificou de “arbitrária” a ação da Polícia Federalrealizada na última segunda (26) no endereço onde funcionam empresas de Luís Cláudio Lula da Silva, filho mais novo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A ação conjunta foi um desdobramento da Operação Zelotes, que investiga fraudes em julgamentos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. Segundo a PF, a nova etapa da operação investiga um consórcio de empresas que, além de manipular julgamentos dentro do Carf, negociava incentivos fiscais a favor de empresas do setor de automóveis.

“Os advogados dele [Luís Cláudio] estão cuidando disso, mas a ação foi arbitrária e vários de nós já nos manifestamos com essa posição. Ao que me consta, a Operação Zelotes envolve bilhões [de reais] e empresas graúdas […] e a única busca e apreensão pra valer que nós vimos foi na empresa do filho do Lula por uma coisa transversa de que ele teria participado da venda de uma medida provisória, sem comprovação”, disse Falcão.

Em um dos endereços onde foram realizadas buscas, funcionam três empresas de Luís Claudio Lula da Silva: LFT Marketing esportivo; Touchdown Promoção de Eventos Esportivos: e Silva Cassaro Corretora de Seguros.

A investigação apontou "íntima relação entre as três empresas" de Luís Cláudio. O Ministério Público Federal argumenta que as empresas "representam uma única entidade". "Trata-se de uma unidade empresarial tanto física quanto societária nucleada em Luís Cláudio Lula da Silva", diz o texto da decisão da juíza federal Célia Regina Orly Bernardes, que aceitou os argumentos do Ministério Público e permitiu as buscas.

Segundo as investigações, a LFT, empresa de Luís Cláudio,  recebeu pagamentos do escritório Marcondes e Mautoni, investigado na Zelotes por ter atuado de forma supostamente ilegal pela aprovação da MP 471, que beneficiou o setor automotivo. As apurações das autoridades apontam que, em 2014, a LFT recebeu R$ 1,5 milhão da empresa de Marcondes.

Segundo os advogados de Luís Cláudio Lula da Silva, as empresas dele não têm "qualquer relação, direta ou indireta", com o Carf.

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que representa duas empresas do filho de Lula (LFT e Touchdown), afirmou nesta terça (27) que o argumento usado pela juíza federal Célia Regina Orly Bernardes para permitir as buscas é"precário e inconsistente" e apenas repete uma "especulação do Ministério Público Federal".

Na avaliação de Rui Falcão, "tem um monte de tubarão" sendo investigado pela Operação Zelotes e a Polícia Federal "corre atrás de um peixinho que, sequer, tem provas contra ele." A jornalistas, o presidente do PT disse ainda que o filho do ex-presidente Lula sofre "perseguição inominável".

"Nós não consideramos que uma manipulação, uma perseguição inominável e inexplicável a um de seus filhos [de Lula] suscite e nós vamos mencionar no documento [resolução do PT] esta agressão", disse.

Questionado sobre quem persegue Luís Cláudio, Falcão respondeu: "setores da mídia, da oposição e, por que não, do Ministério Público e do Judiciário? Há uma campanha direcionada para atingir o PT, a DIlma e o Lula. É nítido isso."

"Ele [Luís Cláudio Lula da Silva] recebeu R$ 2,4 milhões por serviços que prestou e é ele quem tem que mostrar que é inocente? Tem que ver quem o está acusando e cadê as provas. É diferente. Não sou eu quem tem que mostrar que sou inocente, as pessoas é que têm que provar que sou culpado. Estamos invertendo", acrescentou.

 

Eduardo Cunha
Embora tenha dito que tem uma opinião sobre a situação política do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), denunciado pela Procuradoria Geral da República por suposta participação no esquema de corrupção que atuou na Petrobras, Rui Falcão disse que o PT só se posicionará oficialmente sobre o assunto após o Conselho de Ética da Câmara deliberar sobre o processo que analisa se o peemedebista quebrou ou não o decoro parlamentar.

 

“Vocês todos já divulgaram documentos e têm uma avaliação dele [Cunha]. Enquanto isso, eu sustento sempre o estado democrático de direito. Eu tenho uma opinião, mas ele deve ter direito à ampla defesa, ao contraditório e ao amplo processo legal. E isso vai ser lá no Conselho de Ética”, disse Rui Falcão. Perguntado se quis dizer que o PT só vai se pronunciar após o conselho, respondeu: “isso”.

 

‘Golpe’
Assim como fez em outras ocasiões, Rui Falcão voltou a criticar as tentativas de “golpe” pela oposição contra o governo da presidente Dilma Rousseff. Na avaliação do presidente do PT, o país ficará “ingovernável” se continuar a defesa, por setores contrários ao governo, do impeachment da petista.

 

Segundo Rui Falcão, ficou decidido na reunião da Comissão Executiva Nacional do PT nesta quarta que o partido orientará seus candidatos a prefeito em 2016 a defender o legado dos governos da presidente Dilma e do ex-presidente Lula.

“Passado um ano das eleições presidenciais, a oposição, que não soube ganhar e não sabe perder, insiste no golpe contra o nosso governo. Então, as eleições [de 2016] têm que ser valorizadas e, de uma vez por todas, quem ganha tem que levar. Senão, você cria uma instabilidade institucional tão grande que o país fica ingovernável”, disse.

 

 

 

G1