Ronaldo Barbosa vê tendência da pré-candidatura de João Azevedo. Para ele, 'é o mais correto'

Ronaldo Barbosa vê tendência da pré-candidatura de João Azevedo. Para ele, 'é o mais correto'

O presidente do PSB de João Pessoa, Ronaldo Barbosa, disse agora a pouco, por telefone, em contato com a reportagem, que "existe uma tendência muito forte do secretário João Azevedo ser o candidato da sigla a Prefeitura da Capital". Completou com uma frase que parece algo do tipo "prego batido e ponta virada" ao proclamar que "esse é o ponto de vista do 'grupo de interesse' do partido".

Na semana passada, o presidente estadual do partido, Edvaldo Rosas, já tinha declarado a tendência em torno do nome de Azevedo como candidato do PSB a Prefeitura de João Pessoa. "Ganha amplitude por ser o dirigente de uma instância superior de nossa legenda", destacou Barbosa ao ser instante sobre o anuncio feito por Rosas.

Ronaldo garante que o assunto sobre a candidatura do partido nas eleições de 2016 não foi o tema central das discussões deste sábado (17), quando o PSB se reunião, a portas fechadas, para elaborar o cronograma das plenárias a ser realizada antes da definição do candidato à sucessão.

Adiantou que o primeiro evento do gênero esta previsto para acontecer na próxima quarta-feira (21), em Mangabeira. "Já está definida a data e o local, mas temos um calendário pré-definido para as nossas plenários. O problema é que em alguns bairros não tem local para receber um grande número de pessoas", destacou o presidente do PSB Municipal.

A segunda plenária deveria acontecer no bairro de Mandacaru. "No entanto, está sem dia definido porque no bairro não tem um local para receber uma quantidade de pessoas que normalmente prestigiam as nossas plenárias. Precisa-se de uma estrutura que possa ser instalado um data show, painéis demonstrativos. Enfim...".

Azevedo, que ainda não é pré-candidato, aguarda a decisão do partido. A deputada Estela Bezerra, o secretário Tibério Limeira (Esportes e Lazer) e Laura Farias são os outros nomes que disputam internamente a preferência partidária, que deve acabar sob clima de tranquilidade.

 

 


Marcone Ferreira