Rômulo Gouveia se queixa de "desequilíbrio" de Ricardo

Rômulo Gouveia se queixa de "desequilíbrio" de Ricardo
A indireta feita ontem pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) em referência ao vice, Rômulo Gouveia (PSD) foi comentada hoje no mesmo tom pelo ex-aliado. Em entrevista ao Tambaú Debate, Rômulo afirmou que os adjetivos usados pelo socialista para descrevê-lo - "safado" - não seriam próprios de um chefe de executivo: "Não tenho nada de pessoal contra ele. Rompi porque o acordo que foi feito comigo e com o presidente nacional do meu partido, Gilberto Kassab, foi descumprido. Não tivemos espaço na majoritária. Mas, o que ele disse é próprio de quem não tem equilíbrio. E é preciso equilíbrio para se governar um estado", declarou.
 
Rômulo não admitiu e nem desmentiu a possibilidade de recorrer à Justiça contra a exoneração de seus 23 assessores, ato feito pelo governador um dia depois do rompimento. O vice-governador declarou que pretende manter uma agenda administrativa no Governo e resumiu-se a dizer que caberá à sua assessoria jurídica, que estaria trabalhando voluntariamente, elaborar alguma ação contra as dispensas: "Foi um gesto de imaturidade, mas ainda não tive tempo de pensar nisso. Minha assessoria é que, gentilmente, está tratando deste caso".
 
Dissidência - Ao ser questionado sobre dissidências no apoio a Cássio Cunha Lima - a exemplo do deputado estadual João Gonçalves - o presidente estadual do PSD afirmou que o partido vai tolerar as discordâncias, como havia acolhido, antes, a escolha da vereadora Raissa Lacerda, pelos tucanos, quando a sigla ainda estava na base de Ricardo Coutinho. "Seremos coerentes. Não punimos dissidentes antes e nem vamos punir agora".