Rio 2016: Chuva, samba e música nordestina encerram os Jogos

Rio 2016: Chuva, samba e música nordestina encerram os Jogos

A cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro foi marcada por muitas referências à cultura brasileira, tal como na festa de abertura, e com muito Carnaval. Por isso houve samba, música nordestina e até chuva artificial que apagou a pira olímpica.

Logo no início da cerimónia pessoas vestidas de araras azuis formaram pontos característicos do Rio de Janeiro, como os Arcos da Lapa, Cristo Redentor e o Ponto de Açúcar. Depois transformaram-se nos anéis olímpicos.

Na passagem de testemunho a Tóquio, para a edição de 2020, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe apareceu no palco do Maracanã vestido de Super Mario, personagem dos jogos da Nintendo. Esta parte do espetáculo dos futuros anfitriões teve muita tecnologia e exaltação à cultura do Japão.

Depois o público, que não encheu as bancadas, até dançou forró e viu um temporal artificial a apagar a tocha. As escolas de samba da cidade carioca apareceram, assim como a modelo Izabel Goulart.

O presidente do Comité Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, fez um bom balanço. “Quando ganhamos os Jogos, eu disse que o Rio faria história. Agora, eu repito, sete anos depois: o Rio fez história para sempre”, afirmou.