Ricardo Pinto repudia tentativa de união entre Djaci e Audiberg, em Itaporanga

Ricardo Pinto repudia tentativa de união entre Djaci e Audiberg, em Itaporanga
 O PSDB de Itaporanga, um ninho de 'tucanos' se devorando entre si, trincou na base nesta quinta-feira (19), durante a sessão da câmara municipal. E o fato levou a população saber das conjecturas de bastidores que acontecem na plumagem local do partido. O vereador Ricardo Pinto, até então pré-candidato do partido a prefeitura, discursava da tribuna quando repudiou tentativa de aproximação do grupo liderado pelo ex-prefeito Djaci Brasileiro com o do atual prefeito Audiberg Alves (PTB). 
 
Sem dizer o 'santo', a 'reza' acabou sendo revelada pela vereadora Izabelle Mendes que, sentindo incomodada com a fala do colega de legenda, confirmou ter havido uma reunião em sua casa com esse propósito. Ela e pai, Gaudêncio Mendes, fizeram a ponte para essa possível união política. O assunto já ganhara as ruas da cidade, durante a semana, onde sabia-se da negociação e divisão do governo 'futuro'. Tudo bem bonitinho. Faltava, porém, combinar com os 'russos'.
Na reunião estavam Izabelle, Gaudêncio, o ex-prefeito Djaci e o comerciante Franklin Moreira, que em tese, pelo que foi proposto a Djaci, viria a ser o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada por Djaci. O ex-prefeito, segundo informação, apenas ouviu os demais convivas. Já o prefeito Audiberg, que está em João Pessoa, disse não ter tomado ciência dessa reunião e que mantinha-se candidato à reeleição. 
 
Reafirmando sua condição de oposicionista, desde o primeiro dia de mandato, Ricardo que é um dos mais preparados e qualificados parlamentares-mirins de Itaporanga deixou claro que não concordava com tal perspectiva. "Sou oposição, faço um mandato digno e honrado, e falo em nome do PSDB que terá candidato a prefeito, mas sem união com pessoas desonestas, com um governo cheio de indícios de corrupção. Pode tirar o cavalinho da chuva quem estiver planejando isso...", disse.
 
O vereador voltou a criticar duramente a gestão do atual prefeito, em seu discurso, dizendo que falta ações voltadas para a população que "sofre com perseguições e um governo desumano". Porém, o assunto sobre a tentativa de aproximação dos dois grupos 'antagônicos' chamou mesmo a atenção da população, que ouvia a sessão pelo rádio e assistia pela internet. Quanto ao PSDB, terá antes de tudo de enfrentar essa crise de estabilidade que instalou-se em seus quadros. 
 
No final das contas, ponto para o prefeito Audiberg que, sem mover uma 'unha', conseguiu espalhar os gravetos do ninho.
 
 
 
 
RP