Ricardo Marcelo: deixei R$ 15 mi em caixa e reduzi comissionados

Ricardo Marcelo: deixei R$ 15 mi em caixa e reduzi comissionados

O ex-presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Ricardo Marcelo (PEN), afirmou, nesta terça-feira (03), que deixou R$ 1.496.866,56 milhão em caixa, além de R$ 13.784.484,57 aplicado no fundo de renda fixa da Casa de Epitácio Pessoa. “Esse montante seria destinado para a compra do terreno para a construção da nova sede do Poder Legislativo. Além disso, todos os servidores e fornecedores foram pagos”, declarou.

O ex-presidente também disse ter reduzido em 69,72% o número de servidores da ALPB durante a sua gestão. Segundo ele, quando assumiu a presidência em março de 2010 encontrou 725 efetivos, 154 comissionados, 2.813 FC, totalizando 3.698; e entregou a Casa com 627 efetivos, 953 comissionados, sem a figura do FC, totalizando 1.580 servidores. “Isso significa uma redução de 69,72%. A despesa com pessoal ficou em 1,43%, bem abaixo do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) de 1,81%”, completou.

Ricardo também citou como destaques de sua gestão o reajuste de 18% aos servidores, regulamentação do plano de saúde da Casa, implantação do Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI) e realização de concurso público, após 37 anos. “Além disso, melhorei a estrutura física da Assembleia, garantindo melhor ambiente para que os funcionários trabalhassem e reformulei o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) dos servidores efetivos”, lembrou.

O presidente também destacou que “nos últimos anos a Assembleia Legislativa da Paraíba abriu as suas portas para o povo, ecoando os seus anseios, problemas, reivindicações e lutas”. “Fomos às ruas para expor dramas como o da seca, e do atendimento hospitalar, que resultaram no SOS Seca e no SOS Saúde. A Assembleia intermediou conflitos, ecoou reivindicações, denunciou omissões e aperfeiçoou projetos de lei, corrigindo distorções ou introduzindo justas e incontornáveis reivindicações da sociedade. Sem a Assembleia, muitas das conquistas sociais e políticas dos últimos anos não teriam acontecido”, enfatizou.

 

 

 

MaisPB