Réus da Lava Jato arrolam ministro da Justiça como testemunha

Réus da Lava Jato arrolam ministro da Justiça como testemunha

  O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi arrolado como testemunha de defesa de dois ex-deputados acusados de crimes descobertos pela Operação Lava Jato. As defesas de André Vargas, que pertencia ao Partido dos Trabalhadores (PT), e de João Luiz Argôlo - que está afastado do Solidariedade (SD) – pediram para que a Justiça Federal interrogue o ministro em audiências de defesa.

Além de Cardozo, as defesas dos ex-parlamentares presos na Lava Jato também arrolaram como testemunhas deputados federais com mandato e outro ex-deputado. O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos na primeira instância, ainda deve analisar os pedidos antes de marcar as audiências – ele pode pedir explicações aos réus antes de autorizar as oitivas.

O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, que informou que José Eduardo Cardozo está em viagem à Bolívia e só retorna ao Brasil na quarta-feira (3).

 
Dentre os arrolados por Luiz Argôlo também está o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP). Já a defesa de Pedro Corrêa arrolou os deputados Guilherme Mussi Ferreira (PP-SP), José Otávio Germano (PP-RS), Nelson Meurer (PP-PR), Waldir Maranhão Cardoso (PP-MA), e o ex-deputado federal José Cleonâncio da Fonseca (PP-SE).

Já no rol de testemunhas de André Vargas também está Nedson Micheleti, ex-prefeito de Londrina, no Paraná. Micheleti foi prefeito da cidade em que Vargas afirma ter conhecido o doleiro Alberto Youssef entre os anos de 2001 e 2008.

Ex-deputados réus
Tramitam na primeira instância da Justiça Federal ações penais contra quatro ex-deputados federais acusados de envolvimento em esquemas de corrupção investigados pela Operação Lava Jato. André Vargas, Pedro Corrêa, Aline Corrêa, e Luiz Argôlo foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) e são os primeiros ex-parlamentares réus em processos derivados da operação.

André Luiz Vargas Ilário responde pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização Criminosa. Luiz Argôlo é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, peculato. Pedro Corrêa é réu por corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, e a filha dele, a também ex-deputada Aline Corrêa responde por peculato.

 

 

 

G1