Receita Federal tem previsão de concursos em série, para auditor e analista; salários chegam a R$ 15 mil

Receita Federal tem previsão de concursos em série, para auditor e analista; salários chegam a R$ 15 mil
A informação passada pelo Ministério do Planejamento, no último dia 20, a respeito do pedido de novos concursos para a Receita Federal trouxe uma boa notícia para aqueles que almejam fazer carreira no órgão. Segundo foi informado, a solicitação está sendo analisada por meio do processo que trata também de um plano de ingresso de servidores para o período de 2015 a 2019 apresentado pelo Ministério da Fazenda para os órgãos vinculados a ele. Ou seja, se depender do desejo do ministério, o concurso esperado para 2015 deverá ser apenas o primeiro de uma série nos próximos cinco anos.
A FOLHA DIRIGIDA consultou a Receita Federal e o Ministério da Fazenda a respeito da quantidade de ingressos propostos para analista-tributário e auditor-fiscal (ambos de nível superior) a cada ano. A Receita, no entanto, limitou-se a reafirmar que, de fato, está solicitando a realização de novos concursos, sem dar detalhes a respeito da oferta de vagas requerida. Já o ministério não respondeu até o momento.
O que se sabe é que a Receita Federal possui uma grande necessidade de servidores tanto no cargo de analista, quanto no de auditor. Em julho do ano passado, o coordenador-geral de Gestão de Pessoas do órgão, Francisco Lessa, informou que a demanda detectada à época era de 3 mil novos servidores, sendo 1.600 analistas e 1.400 auditores. Os números embasaram o pedido de concursos enviado ao Planejamento na ocasião. Porém, o ministério só liberou 278 vagas para a seleção que está sendo realizada para auditor. No caso de analista, não houve autorização de um novo concurso, tendo sido permitida apenas a nomeação de mais 691 aprovados no concurso aberto em 2012.
Para a presidente do Sindicato dos Analistas-Tributários da Receita Federal (Sindireceita), Sílvia Felismino, a necessidade é bem superior à informada pelo coordenador da área de pessoal do órgão. Segundo ela, a Receita precisa de cerca de 9 mil novos analistas, uma vez que conta com aproximadamente 8 mil em atividade, enquanto a necessidade gira em torno de 17 mil.
Já com relação à carreira de auditor, há ainda uma preocupação com a saída de muitos servidores por aposentadoria. Em reunião realizada no mês passado, na qual o secretário da Receita, Carlos Alberto Barreto, anunciou a solicitação de novos concursos, o vice-presidente de Assuntos Fiscais da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita (Anfip), Vanderley José Maçaneiro, alertou que, somente até abril, este ano já acumulava 238 aposentadorias, uma média de cerca de 60 por mês. Caso o ritmo tenha se mantido, ao fim do mês passado o número de saídas por aposentadoria já superou o número auditores que irão ingressar por meio do concurso em andamento. De acordo com a associação, o próprio Barreto admitiu que a demanda é grande em várias áreas da Receita.
 
Até R$15.338. Conheça as etapas do concurso
 
Os cargos de analista e auditor da Receita têm como requisito para o ingresso o ensino superior completo em qualquer área. As remunerações no início da carreira são de R$15.338,44, para a função de auditor, e de R$9.171,88, no caso de analista, já incluindo o auxílio-alimentação, de R$373. Com o reajuste programado para janeiro de 2015, os valores irão passar para R$16.116,64 e R$9.629,42, respectivamente (também com o auxílio). As contratações são pelo regime estatutário, que dá direito a estabilidade.
Os concursos da Receita são organizados pela Esaf, sendo compostos por provas objetivas, provas subjetivas (dissertativa para analista e discursiva para auditor) e sindicância de vida pregressa. Na seleção em andamento para auditor, as provas, aplicadas no mês passado, versaram sobre Língua Portuguesa, Espanhol ou Inglês, Raciocínio Lógico-Quantitativo, Administração Geral e Pública, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Auditoria, Contabilidade Geral e Avançada, Legislação Tributária e Comércio Internacional e Legislação Aduaneira.
Já no último concurso para analista, as questões das provas foram sobre Língua Portuguesa, Espanhol ou Inglês, Raciocínio Lógico-Quantitativo, Direito Constitucional e Administrativo e Administração Geral, além de Direito Tributário, Contabilidade Geral, Legislação Tributária e Aduaneira (área Geral) ou Direito Tributário, Contabilidade Geral e Informática (área de Informática).
 
É hora de iniciar a preparação, alertam especialistas
 
A confirmação de que a Receita Federal já encaminhou ao Ministério do Planejamento um pedido de autorização de novos concursos, com programação anual até 2019, é um sinal claro para que os interessados em participar das concorridas seleções do órgão iniciem a preparação. Isso é o que garantem especialistas, uma vez que a disputa costuma sempre ser acirrada. Apenas como exemplo, na seleção de 2012 foram contados 93.692 candidatos às 750 vagas de analista, enquanto outros 26.313 disputaram as 200 oportunidades de auditor. No concurso já realizado este ano, houve a oferta de 278 vagas para auditor-fiscal, com o registro de 68.540 inscritos em todo o país. A média nacional, portanto, foi de 246,5 candidatos por vaga.
Embora os concursos ainda precisem ser autorizados pelo Planejamento, o que pode ser dado como certo devido à carência de pessoal, eles costumam demandar um tempo de preparação maior do que aquele entre a autorização e a aplicação das provas. No concurso aberto este ano para auditor-fiscal, as provas objetivas e discursivas foram realizadas nos dias 10 e 11 de maio, isto é, apenas 11 semanas após a permissão ter sido concedida pelo Planejamento. Trata-se de um caso específico, por conta da necessidade de homologar a seleção antes do período eleitoral, com início em julho, mas é um bom exemplo de que os futuros candidatos precisam estar prevenidos. Aqueles que deixarem para iniciar os estudos apenas quando da divulgação da autorização, ou do edital de abertura, certamente sairão em desvantagem na disputa.
Os professores Giuliano Menezes, do curso online Agora Eu Passo, e Dênis França, do site Questões de Concursos, concordaram quanto à necessidade de iniciar os estudos com antecedência. “Estes concursos deverão ser realizados em 2015, e nos próximos anos. E a preparação para um concurso da Receita Federal exige, no mínimo, um ano, sendo esse momento o ideal para iniciar uma preparação séria”, garantiu Menezes. “A preparação de quem está realmente focado e decidido a alcançar um cargo público bom, como os da Receita, deve ser permanente. Nada de esperar edital. Esse é o momento de fazer a diferença, porque depois que sai o edital, muita gente estuda. Contudo, como os programas são muito extensos, pode ser tarde demais”, avaliou França. Em tempo: os editais dos concursos anteriores, com as disciplinas cobradas, podem ser consultados na FOLHA DIRIGIDA Online. A expectativa é que os conteúdos não sofram significativas alterações.
Na organização dos estudos, Giuliano Menezes afirmou que manter uma rotina diária é mais importante do que estudar muitas horas em alguns dias e em outros não estudar. Para os iniciantes, ele sugere uma carga horária crescente de estudos. “O objetivo é evitar frustrações por não cumprir a meta inicial. A motivação deve ser buscada sempre com notícias acerca do concurso e também com o estabelecimento de metas individuais de estudo e realização de exercícios".

O professor Dênis França, do site Questões de Concursos, ressaltou que é possível utilizar algumas técnicas para manter a motivação nos estudos visando ao concurso da Receita. “Sugiro que seja feita uma lista de prós e contras. No que você acha que sua vida será melhor se você alcançar esse cargo? Escreva isso numa lista e coloque num lugar onde você olhe todos os dias, para se manter ligado. Outros artifícios são úteis também, como colocar uma foto do prédio do local que você pretende trabalhar como plano de fundo da área de trabalho do computador ou do celular. Mas é claro que há estratégias que ajudam a manter a motivação que passam pelos estudos também”, observou. 

Folha Dirigida