Raimundo Lira defende junto à mesa diretora do Senado ramal das obras de transposição para o Vale do Piancó

Raimundo Lira defende junto à mesa diretora do Senado ramal das obras de transposição para o Vale do Piancó

Na noite de ontem (10), presidindo a sessão do Senado Federal, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB) defendeu junto à mesa diretora da Casa a relevância operacional da construção do sistema adutor Piancó, no eixo norte das obras de transposição do Rio São Francisco. Para Lira, a iniciativa é fundamental para garantir a capacidade de armazenamento do sistema de reservatórios Coremas/Mãe d'água.

“Essa transposição vai atender às necessidades da maior barragem da Paraíba, que é o sistema Coremas/Mãe D’água, que tem capacidade de 1,1 bilhão de metros cúbicos de água, onde o excesso de água do manancial vai descer pelo rio Piranhas e, ao chegar no Rio Grande do Norte, chegará no rio Assú, que é o maior reservatório do Rio Grande do Norte, com capacidade de 2 bilhões de metros cúbicos. Portanto, esse ramal atende não só a Paraíba, mas também nosso Estado vizinho”, justificou o senador paraibano sobre a relevância da obra. 

Conforme assinalou Lira, está definido que o eixo norte atenderá a 55 municípios paraibanos, enquanto o eixo leste atenderá 72 municípios. Contudo, segundo Lira, uma terceira entrada integrando o eixo norte à cabeceira do rio Piancó é vital para maximizar o uso do sistema Coremas/Mãe d'água. “Ao meu estado da Paraíba interessa, sobremaneira, a construção do sistema adutor Piancó, no eixo norte das obras. Essa iniciativa é fundamental para garantir a capacidade de armazenamento do sistema de reservatórios Coremas/Mãe d'água”, afirmou o parlamentar.

Esse sistema, segundo ele, possui a maior acumulação de águas da Paraíba, mas enfrenta dificuldades, sempre quando ocorre períodos de estiagem. Os 18 municípios circunvizinhos que compõem o Vale do Piancó formam, de acordo com o IBGE, uma área metropolitana. A atividade econômica da região se apoia basicamente na agricultura, pecuária e no turismo comercial, setores cujo desenvolvimento deverá se impulsionar com as condições geradas pelo ramal do Piancó.

Raimundo Lira lembrou que a região Nordeste possui 28% da população brasileira, mas apenas 3 % da disponibilidade de água. O empreendimento executa 622 km de obra linear, dispostos em dois eixos de transferência de água: o canal Norte, que se estende por 400 km; e o Leste, de 222 km. O projeto engloba, ainda, a construção de quatro túneis, 14 aquedutos, nove estações de bombeamento e 27 reservatórios. O projeto ambiciona garantir a segurança hídrica de uma população de 12 milhões de pessoas, em 390 municípios do agreste e do sertão dos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O ministro Gilberto Occhi, da Integração Nacional, estima que a obra estará completa em setembro de 2016.

 

 

 

Assessoria