Queda no preço da gasolina não levará à alta de impostos

Queda no preço da gasolina não levará à alta de impostos

O presidente Michel Temer garantiu que o governo não aproveitará a queda do preço da gasolina e do diesel para — num movimento contrário — aumentar impostos sobre os combustíveis. Analistas do mercado financeiro levantaram a dúvida se o governo tentaria recompor as contas após o anúncio — feito na sexta-feira pela Petrobras — da baixa. A hipótese foi afastada pelo presidente durante uma entrevista coletiva durante à viagem oficial para a Índia para participar da reunião do Brics.

Aumentar a Contribuição de Intervenção sobre o Domínio Econômico (Cide) foi cogitada por ser uma saída rápida e prática para melhorar a situação das contas públicas. Como o tributo é regulatório, não há necessidade de aprovação do Congresso para subir a cobrança, que poderia fazer o reajuste entrar em vigor imediatamente.

— Não. A Cide não. Não há nenhuma previsão desse momento para essa espécie de aumento — garantiu o presidente.

Ele explicou que a intenção do governo é evitar qualquer alta de impostos. Lembrou que há muito tempo era cogitada a recriação da CPMF. Disse que o governo tentou evitar que isso fosse preciso.

— Nós estamos tentando evitar o quanto possível qualquer espécie de nova tributação, especialmente a CPMF. E confesso que a Cide é a primeira vez que eu ouço.

Michel Temer contou que, na quinta-feira, recebeu um telefonema do presidente da Petrobras, Pedro Parente. Ele teria dito que haveria uma reunião da diretoria e que, muito possivelmente, teria redução do valor do óleo diesel e da gasolina e que isso, evidentemente, que isso está vinculado ao mercado internacional.

— Portanto haverá uma avaliação a cada mês ou a cada dois meses tendo em vista o mercado internacional. O preço da gasolina e do diesel seguirá também os padrões internacionais. Foi isso que me disse, na ocasião, Pedro Parente.

Temer participa da reunião de cúpula dos Brics na Índia. No início da tarde de sábado (madrugada ainda no Brasil), ele teve um almoço com empresários brasileiros com negócios na Índia. À noite, seguirá para um jantar com os demais chefes de Estados do grupo de países emergentes.

 

 

G1