PT não aceita chantagem do PMDB, diz dirigente da legenda

PT não aceita chantagem do PMDB, diz dirigente da legenda

O secretário de organização da executiva o PT, Jackson Macedo, reagiu, nesta segunda-feira (16), as imposições do PMDB, que deu um prazo de 48 horas, para que o PT decida sobre a definição de aliança entre os dois partidos na chapa proporcional para as eleições estaduais deste ano.

Setores do PMDB ameaçam também romper a aliança na chapa majoritária, que já tem as candidaturas de Veneziano Vital do Rego (PMDB) para governador e de Lucélio Cartaxo (PT) para senador. Apesar da pressão dos peemedebistas, Jackson Macedo ratificou que a aliança na proporcional não interesse ao PT, pois enfraquecerá a representação do partido na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Jackson Macedo classificou a imposição do PMDB de pequenês e disse que o PT não aceita chantagem, nem um tipo de pressão.

“Aliança proporcional não nos interessa, porque prejudica o PT. Já fizemos tudo pelo PMDB, retiramos a candidatura de Lucélio para deputado federal, que era uma candidatura praticamente eleita, para agregar a candidatura de Veneziano. Agora o PMDB não pode vim com mais esta novidade e ainda mais condicionando a aliança majoritária, com a proporcional. É uma pena”, afirmou.

“Isso é uma pequenês que não tem tamanho. O PT não aceita este tipo de chantagem, nenhum tipo de imposição. Esta junto com Veneziano, agora sem imposições. O PT não pode construir uma aliança que diminua sua representação na Assembléia Legislativa”, acrescentou.


Cristiano Teixeira - MaisPB