PT admite que pode se coligar na proporcional com PMDB, mas só no último dia; ‘questão matemática’

PT admite que pode se coligar na proporcional com PMDB, mas só no último dia; ‘questão matemática’

O presidente estadual do PT, Charliton Machado, admitiu, em entrevista ao programa Rede Verdade da TV Arapuan, que o partido pode sim se coligar com o PMDB, mas só no último dia, depois de todas as discussões das convenções.

De acordo com Machado, em nenhum momento, foi colocada a proporcional como condição para fazer a aliança majoritária com o PMDB. Ele destacou que as conversas estão emperradas há 15 dias devido a este impasse.

Machado destacou que a composição proporcional é fechada devido à matemática, onde importa o que os partidos vão ganhar com cada coligação. “Poderíamos até fazer aliança com o PMDB, mas no último dia, avaliando os números porque a composição para estadual e federal é diferente, isso não altera a majoritária”, diz.

“Nos outros anos fizemos a majoritária, mas não a proporcional, em nenhum momento foi posta. Estamos de forma muito tranquila. Agora está sendo posta e não foi dito isso na construção da aliança”, explica.

O presidente também afastou a possibilidade de a nacional se ‘intrometer’ na política estadual afirmando que quem vai coordenar a campanha para a reeleição de Dilma na Paraíba será o próprio PT e não vai desarmar a campanha da presidenciável não se aliando com as bases da presidente, já que a nacional quer a aliança. Machado destacou também que o partido vai esperar até quarta (18) que é quando o Supremo Tribunal Federal (STF) vai votar o número de deputados que deve compor as bancadas de cada estado.

“De repente o próprio PMDB pode entender que é melhor ficar sozinho e fazer cinco deputados que fazer cinco na composição. Para que a pressa? o que a população quer ouvir de Veneziano é que somos diferentes do projeto posto, somos alternativa”, conclui. 


Marília Domingues