PSB anuncia oposição a Dilma e apoio ao golpe, mas Ricardo Coutinho diverge

PSB anuncia oposição a Dilma e apoio ao golpe, mas Ricardo Coutinho diverge

Encontro da bancada do PSB realizado nesta terça-feira (22), com a presença dos governadores Ricardo Coutinho, Rodrigo Rollemberg, do Distrito Federal, e Paulo Câmara, de Pernambuco, anunciou a nova posição do partido: em vez de manter independência em relação ao governo da presidente Dilma, o PSB agora é oposição e anunciou apoio ao golpe parlamentar contra a presidente. O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, no entanto, divergiu e pediu bom senso.

Ricardo deixou a reunião da Bancada do PSB, em Brasilia, com posicionamento divergente ao encaminhamento da cúpula nacional de fazer oposição ao Governo Dilma, admitindo inclusive apoio ao Impeachment. Para o governador paraibano, o assunto ainda não está com questão finalizada. "Considero um erro histórico", disse.

 

"Lutei muito para ver este pais num estado democrático de direito e não embarco em qualquer aventura", declarou o governador acrescentando: "O governo Dilma precisa, sim, dar respostas ao Brasil, mas não pode ser arrancado do lugar para o qual foi eleito, simplesmente por impopularidade", pontuou.

 

Ricardo Coutinho disse ainda que "além disso, nenhum partido se apressou a fazer essa discussão oficialmente e não entendo essa pressa de um partido forjado no campo da resistência democrática, por isso espero que o bom senso prevaleça e que, ao invés de fiar se olhando para rusgas eleitorais, se pense no Brasil e na necessária busca de estabilidade".

"Entendemos que é um governo moribundo, temos que encontrar um meio de o país não sangrar por muito tempo", disse o presidente da legenda, Carlos Siqueira. Quanto ao golpe, afirmou: "Há uma tendência bastante forte de que se o impeachment chegar ao plenário da Câmara ele será aprovado também pela nossa bancada", admitiu Siqueira.

 

 

 

 

 

Portal 247