Profissionais da SMS alertam que aleitamento materno não transmite zika vírus

Profissionais da SMS alertam que aleitamento materno não transmite zika vírus

O Ministério da Saúde (MS) confirmou, no final do ano passado, a relação entre o zika vírus e os casos de microcefalia na região Nordeste. Desde então, diversos boatos surgiram, principalmente nas redes sociais, sobre estas doenças.

Uma dessas notícias falsas informava que o zika vírus poderia ser transmitido pelo aleitamento materno. Profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) alertam que esta informação não é verdadeira e seguem orientando as mães sobre a importância da amamentação.

De acordo com o MS, o surto de microcefalia no País não alterou a recomendação em relação à importância do aleitamento materno desde o primeiro dia de vida dos bebês.

“As mulheres podem ficar tranquilas em relação à amamentação. Não há problema delas permanecerem amamentando. Não existem estudos que comprovem que o vírus da zika possa ser transmitido pelo leite materno, nem que vai causar nenhuma alteração no bebê que já está formado e já nasceu”, destacou a coordenadora do Núcleo de Educação Permanente em Aleitamento Materno (Nepam) do Instituto Cândida Vargas (ICV), Bruna Grasiele.

Ainda de acordo com a coordenadora, apenas sob a orientação médica é que a amamentação da criança pode ser suspensa. “Pode haver casos específicos, mas geralmente a única contra indicação é quando a mãe possui o vírus HIV”, explicou.

Até os 6 meses de vida o bebê não precisa de nenhum outro alimento, para crescer e se desenvolver, além do leite materno. O leite produzido pelo organismo da mãe sacia a criança, pois possui a quantidade adequada de carboidratos, proteínas, gorduras e água, entre outros elementos para desenvolvimento e proteção que o recém-nascido necessita.

“Vale ressaltar que, a não ser que exista alguma contra indicação médica, é muito importante que o bebê seja alimentado, nos primeiros 6 meses, exclusivamente com leite materno e depois continue amamentando e complementando a alimentação. O leite materno é sempre o melhor e mais completo alimento, porque possui células imunológicas, proteínas, vitaminas e minerais, que além de alimentar, vão nutrir e proteger a criança de doenças”, complementou Bruna Grasiele.

Banco de Leite – Alguns fatores como um parto prematuro, esvaziamento da mama, hora e intervalo entre as mamadas, intervalo entre as gestações e a ingestão de álcool ou drogas, podem fazer com que a mãe não produza leite suficiente para atender as necessidades do bebê.

Para apoiar, promover e proteger o aleitamento materno, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio do Instituto Cândida Vargas (ICV), conta com o Banco de Leite Zilda Arns, que recebe doações de mulheres saudáveis e que possuem excesso de leite.

As doadoras passam por um cadastro e realizam exames de saúde para que o leite possa ser utilizado. Todo leite doado passa por um processo de pasteurização, onde são realizados testes para saber se houve uma coleta e armazenamento adequados. Após a pasteurização, uma nova avaliação é realizada para conferir se o processo aconteceu de forma correta.

O Banco de Leite atende de segunda à sexta-feira, no Instituto Cândida Vargas, em Jaguaribe, das 8h às 17h. A unidade dispõe de posto de coleta, atendimento de enfermagem para as mães que precisam de auxílio, orientações e um serviço de coleta externa, que pode ser acionado através dos telefones (83) 3015-1555 e 3015-1534.

Na rota domiciliar, os profissionais de saúde vão até as residências das doadoras para buscar o leite e deixar mais kits para coleta. O serviço também realiza palestras, oficinas, entre outras atividades de apoio ao aleitamento materno em João Pessoa.

 

 

 

 

 

Secom-JP