Professores estaduais cruzam os braços e mais de 360 mil alunos ficam sem aulas

Professores estaduais cruzam os braços e mais de 360 mil  alunos ficam sem aulas
Mais de 360 mil estudantes da rede pública de ensino da Paraíba ficaram sem aulas no primeiro dia de paralisação dos professores da educação básica do Estado. A mobilização será mantida até amanhã, quando ocorrerá uma assembleia geral dos docentes. Segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da Paraíba (Sintep-PB), durante esta reunião os professores estaduais podem iniciar o movimento grevista a partir do próximo dia 20.
Em todo o Estado, segundo o Sintep-PB, cerca de 17 mil professores aderiram à paralisação, que também ocorre em todo o país. Em João Pessoa, o Lyceu Paraibano, uma das principais escolas da cidade, amanheceu com as portas fechadas e no local estavam apenas dois vigilantes. A mesma situação foi a encontrada em 804 unidades de ensino da rede estadual da Paraíba. Com os professores de braços cruzados, 319.445 estudantes, conforme dados do Censo da Educação 2013, dessas escolas voltaram para casa.
Ontem, os professores da rede estadual realizaram assembleias nas quatro regionais do Estado. Segundo o presidente do Sintep-PB, Carlos Belarmino, na reunião geral de amanhã os trabalhadores avaliarão o movimento e podem iniciar o movimento grevista. “Nós vamos avaliar as propostas discutidas nas regionais e vamos avaliar as condições de cada uma para ver se vamos entrar em greve ou fazer novas paralisações”, adiantou o sindicalista.
Além das reivindicações nacionais dos profissionais da educação, os professores da rede estadual da Paraíba pedem o retorno das gratificações, a volta da carga horária de 30 horas semanais para os funcionários da área, além do aumento na gratificação dos diretores de escolas. Ainda segundo Carlos Belarmino, o sindicato enviou a pauta de solicitações locais no mês passado para a Secretaria Estadual de Educação.
Sobre a reivindicação dos trabalhadores em educação da rede estadual, a gestora garantiu que a secretária de Estado da Educação, Márcia Lucena, está aberta ao diálogo e que, inclusive, existe uma agenda de negociações marcada para o próximo dia 7 de abril (segunda-feira) entre o governo do Estado e o Sintep-PB. Sobre os três dias de paralisação, Luís Júnior lembrou que as aulas serão repostas e as escolas devem obedecer à Lei de Diretrizes e Bases da Educação para que os estudantes não sejam prejudicados.