Professor da UFPB teme por vida de estudantes em greve de fome

Professor da UFPB teme por vida de estudantes em greve de fome

O professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Carmélio Reinaldo, postou comentário no Facebook manifestando sua preocupação com a saúde dos estudantes da Instituição,que estão em greve de fome, desde o início da semana passada, em protesto contra a política de assistência estudantil (Restaurante e Residência Universitária).

“Ontem à tarde fui prestar minha solidariedade aos estudantes em greve de fome na UFPB. Sai de lá muito preocupado com esses rapazes que estão arriscando a saúde e a vida por uma universidade mais humanizada. Ouvi de um deles que já não sentia mais fome, superara a vontade de comer. Acho que isso é prenúncio de que o corpo se entregou, desistiu de reagir, a máquina começa a desligar-se. A universidade, que tem na sua administração uma reitora cujo suporte maior vem da área de saúde, não pode continuar respondendo com notas burocráticas e discursos de planilha”, postou o professor.

Na última quinta-feira, a a reitoria da UFPB Universidade Federal da Paraíba publicou nota sobre o saldo das negociações com grevistas. De acordo com a nota, “após a reunião, a administração da UFPB convidou os manifestantes para apresentação do resultado dos trabalhos de análise minuciosa dos 23 itens reivindicados, mas não logrou êxito. Os manifestantes recusaram o convite e os dirigentes da instituição colocaram o gabinete da reitoria à disposição para dar continuidade ao diálogo”.

Na quarta-feira (24), houve protesto dos alunos do campus de João Pessoa. Eles ficaram sem refeição devido a um protesto realizado por colegas da instituição no campus de Rio Tinto, onde atualmente a comida do RU da Capital tem sido produzida. Alunos de Rio Tinto fecharam os portões e impediram a saída do caminhão responsável pelo transporte.

Cerca de três mil refeições foram jogadas no lixo. O desperdício foi registrado em vídeo.

 

 

MaisPB