Problemas no abastecimento d’água urbano atingem hoje mais de 70 mil pessoas no Vale do Piancó

Precariedade do sistema adutor é a principal causa dos problemas de abastecimento d’água que hoje atingem uma população urbana superior a 70 mil pessoas no Vale, região que concentra a maior reserva de água doce da Paraíba. Há racionamento em quase todas as cidades regionais, inclusive nas três principais delas (Itaporanga, Piancó e Conceição).

Em Itaporanga, há mais de 15 anos os moradores da cidade não têm água todos os dias em casa e há bairros que a água nem chega mais. Esses problemas são causados pala insuficiência da adutora. Uma nova começou a ser construída em 2012, mas a obra está atrasada e ninguém sabe quando será concluída.



Em Conceição também há racionamento, especialmente nos bairros mais periféricos, a exemplo do Nossa Senhora de Fátima. Além da precariedade no seu sistema adutor, a estação de tratamento d’água local precisa ser substituída, e há uma promessa do Governo do Estado nesse sentido, mas ainda não concretizada.

Em Piancó, o racionamento atinge a cidade inteira e os bairros mais afastados do centro, a exemplo do Campo Novo, são quem mais sofrem com a falta d’água. Uma nova adutora é esperada pela população há muito tempo, mas até agora nada foi realizado.

Nos últimos dois anos, houve protestos populares nas ruas contra o problema em Piancó, além de Emas e Diamante, duas cidades que também precisam de novas adutoras.

Também enfrentam problemas de abastecimento São José de Caiana, Igaracy e Boa Ventura. Em Coremas, a principal questão é a falta de estação de tratamento d’água: a população urbana consome a água do açude local sem qualquer tratamento, o que é um risco à saúde pública, já que a água do reservatório está imprópria para o consumo humano, conforme relatório da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Além da precariedade das adutoras, muitas delas já bem antigas em sem condições de atender a população atual integralmente, há também o problema da escassez das fontes onde as cidades bebem. Em Itaporanga e Conceição, por exemplo, os açudes que abastecem as cidades são pequenos e, quando os volumes caem, agrava a problemática do abastecimento e a qualidade da água também é comprometida.

Cidades abastecidas por poços, como é o caso de Boa Ventura, Diamante e Piancó, também sofrem: quando a vazão dos poços diminuem, especialmente no período da estiagem, a população dessas cidades sofre com a falta d’água.

 
folhadovali.com.br